Topo

FT: Onda de assassinatos causados pela polícia marca primeiros meses de Bolsonaro

Celio Messias/Estadão Conteúdo
Jair Bolsonaro cumprimenta o público após receber a faixa presidencial Imagem: Celio Messias/Estadão Conteúdo

São Paulo

2019-03-06T12:28:00

06/03/2019 12h28

Uma onda de assassinatos cometidos por policiais no Brasil, sobretudo no Rio de Janeiro, marca os primeiros meses de governo do presidente Jair Bolsonaro, destaca uma reportagem publicada no portal do jornal britânico Financial Times nesta quarta-feira, 6.

A publicação classifica o início do ano como "sangrento" no Rio, onde, de acordo com dados do governo estadual apresentados na reportagem, a taxa de homicídios cometidos por policiais supera três por dia. O FT cita como um dos episódios a operação da Polícia Militar que resultou em 15 mortos em fevereiro na capital fluminense.

"Políticos locais classificam as operações policiais como um sucesso. Outros dizem que são uma amostra do que está por vir no novo governo liderado pelo presidente Jair Bolsonaro, que foi eleito no ano passado em parte com a promessa de endurecimento contra a criminalidade", diz o texto.

A reportagem aponta também a disputa entre facções criminosas no País e levanta dúvidas sobre a efetividade do Sistema Único de Segurança Pública (SUSP), lançado pelo governo anterior, sob a gestão de Michel Temer (MDB). O jornal cita o pacote anticrime enviado ao Congresso Nacional, o fato de o projeto isentar a pena de policiais que matarem em serviço por "escusável medo, surpresa ou violenta emoção" e ainda o decreto que flexibilizou a posse de armas.

O SUSP, disse à reportagem o ouvidor-geral da Defensoria Pública do Rio, Pedro Strozenberg, "está enterrado, pelo menos pelos próximos quatro anos".

Witzel defende atuação da PM no Rio

UOL Notícias
Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que informou a matéria, o Sistema Único de Segurança Pública (SUSP) foi lançado no governo do ex-presidente Michel Temer (MDB).

Mais Cotidiano