Topo

Senadores querem veto presidencial para evitar ações trabalhistas contra partidos

O líder do MDB no Senado, Eduardo Braga (AM, foto), vai tentar alterar um trecho da proposta para evitar criar na legislação a figura de "cargos comissionados" nas siglas - Sergio Lima/Folhapress
O líder do MDB no Senado, Eduardo Braga (AM, foto), vai tentar alterar um trecho da proposta para evitar criar na legislação a figura de "cargos comissionados" nas siglas Imagem: Sergio Lima/Folhapress

Daniel Weterman

Brasília

17/09/2019 17h30

Senadores defendem veto a um trecho no projeto de lei que beneficia partidos políticos para evitar que as legendas sejam alvos de ações trabalhistas na Justiça. O líder do MDB no Senado, Eduardo Braga (AM), vai tentar alterar um trecho da proposta para evitar criar na legislação a figura de "cargos comissionados" nas siglas.

O texto aprovado na Câmara define que as atividades de direção, assessoramento e apoio político nos partidos não geram vínculo de emprego, não sendo aplicável o regime na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Na opinião de Braga e de outros senadores, a regra pode dar margem para que partidos sejam alvo de ações trabalhistas de empregados que, contratados sem vínculo na CLT, cobrem ressarcimentos na Justiça.

O ajuste na redação está sendo discutido com técnicos do Senado. A estratégia é fazer uma alteração que isole o item na proposta, permitindo um veto pelo presidente Jair Bolsonaro. "A ideia é termos uma redação que possibilite um veto para que nós não tenhamos amanhã um problema maior com os partidos não pagando os direitos trabalhistas e tendo que pagar no futuro valores talvez muito maiores, tendo em vista de que a lei foi mal interpretada pela Justiça do Trabalho", declarou Eduardo Braga.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Cotidiano