PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Cardeal tirado da Congregação para Doutrina da Fé ataca Papa

11/07/2017 19h47

ROMA, 11 JUL (ANSA) - Removido do comando da influente Congregação para a Doutrina da Fé, o cardeal alemão Gerhard Ludwig Müller partiu para o ataque aberto contra o papa Francisco e disse ter sido vítima de um tratamento "inaceitável".   

Em entrevista ao jornal "Passauer Neue Presse", Müller afirmou que "não pode aceitar esse modo de fazer as coisas", referindo-se à forma como o líder da Igreja Católica lhe comunicara sua saída do dicastério, em uma reunião breve e sem explicações, segundo o cardeal.   

"Como bispo, o Papa não pode tratar as pessoas dessa maneira", acrescentou. A saída de Müller foi anunciada no último dia 1º de julho, na véspera da conclusão de seu mandato de cinco anos como prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, espécie de herdeira da Santa Inquisição e responsável por zelar pela tradição católica.   

Em toda a história do órgão, nunca havia ocorrido uma não renovação de mandato, por isso a decisão causou bastante surpresa na Itália. Müller havia sido nomeado em 2012, por Bento XVI, e algumas vezes demonstrou posições contrárias à postura reformista de Francisco, principalmente em temas ligados à família.   

O alemão foi substituído pelo jesuíta espanhol Luis Francisco Ladaria Ferrer, que também não é considerado um "progressista".   

A decisão do Papa de trocar o comando da Congregação para a Doutrina da Fé teria sido motivada pelo excesso de exposição midiática de Müller e por problemas no funcionamento do dicastério. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Internacional