PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Reunião entre representante do Papa e Pompeo foi 'respeitosa e cordial'

Papa Francisco chega de máscara para interagir com o público no Vaticano - Vincenzo Pinto/AFP
Papa Francisco chega de máscara para interagir com o público no Vaticano Imagem: Vincenzo Pinto/AFP

01/10/2020 08h56

A reunião entre o secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, e seu homólogo norte-americano, Mike Pompeo, realizada hoje foi "respeitosa e cordial", informou o diretor da sala de imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni. O Papa Francisco não participou da reunião.

O representante confirmou que houve a discussão sobre temas referentes à China, bem como outros assuntos de interesse mundial durante os 45 minutos de conversas.

"No curso da reunião desta manhã entre o secretário de Estado dos Estados Unidos da América, Michael Richard Pompeo, e o secretário de Estado de Sua Santidade, Sua Eminência o cardeal Pietro Parolin, acompanhado de Sua Excelência monsenhor Richard Gallagher, secretário para a Relação com os Estados, as partes apresentaram as suas respectivas posições sobre as relações com a República Popular Chinesa, em um clima de respeito, descontraído e cordial", informou Bruni.

O encontro ocorreu menos de 24 horas depois de Parolin e Gallagher se mostrarem visivelmente incomodados com a pressão do governo de Donald Trump para que o Vaticano não renove um acordo com a China na questão de nomeação dos bispos. O pacto foi firmado em 2018 e deve ser renovado neste mês sem maiores problemas, informou a própria Igreja Católica recentemente.

Ontem, a embaixada norte-americana no Vaticano organizou um evento sobre liberdade religiosa sem combinar com a Santa Sé, e que contou com a participação de Pompeo. Ao ser questionado pela ANSA se esse simpósio era uma tentativa de "instrumentalização" do Papa em plena campanha eleitoral nos EUA, Gallagher respondeu que "sim" e que essa "é uma das razões pelas quais o Papa não se reunirá" com norte-americano.

Apesar da irritação do cardeal, o Pontífice não costuma se reunir com representantes de países que estejam em período eleitoral - como ocorre nos EUA -, mas a publicação recente de um artigo em que Pompeo questionava a "autoridade moral" do líder católico no caso de renovação de acordo, acirrou os ânimos.

Parolin, que tem sempre uma postura diplomática, afirmou que o texto não causou "irritação" nele, mas sim "surpresa" com a postura. A igreja nos EUA tem uma grande ala ultraconservadora, que é um dos alvos políticos nas eleições para Trump, e também uma das mais críticas ao Pontificado de Francisco.

A reunião ainda discutiu os conflitos no Cáucaso, com a escalada de violência entre o Azerbaijão e a Armênia, no Oriente Médio e na crise do Mediterrâneo Oriental, que colocou Turquia, Grécia e Chipre em um clima de altíssima tensão por conta da exploração de combustíveis fósseis.

Internacional