A atleta olímpica que se tornou ícone da direita no Brasil

Joao Fellet - BBC Brasil

Desde que encerrou uma carreira que teve como ápices uma medalha de bronze olímpica e três títulos mundiais, a ex-jogadora de vôlei Ana Paula Henkel tem perdido fãs, mas ganhado seguidores.

Nos Estados Unidos desde 2009, onde cursa arquitetura de interiores na Universidade da Califórnia em Los Angeles, Ana Paula, 44 anos, comenta diariamente o noticiário brasileiro no Twitter, onde já protagonizou polêmicas ao criticar feministas, defender o voto em Donald Trump e ironizar artistas contrários à extinção do Ministério da Cultura.

Em entrevista à BBC Brasil na segunda-feira a partir de Dallas (Texas), onde seu filho adolescente disputava um torneio de vôlei, a ex-atleta diz que as posições e seu discurso agressivo contra o PT lhe fizeram perder "fãs do esporte de esquerda", mas atraíram pessoas interessadas em política ou identificadas com valores conservadores.

  • Afinal, quem vai pagar o pato do ajuste fiscal brasileiro?

Hoje ela tem 87 mil seguidores no Twitter - incluindo, segundo ela, um "exército" pronto a agir quando é atacada por "trolls ou MAVs (militantes em ambientes virtuais) da esquerda".

'Conservadora moderada'

Ana Paula diz que passou a se interessar mais por política ao se mudar para os Estados Unidos, há sete anos.

"Antes de morar aqui, confesso que torcia o nariz para o patriotismo americano e enxergava os atletas americanos como esnobes. Mas quando você mora aqui, vê que é algo que vai bem além do esporte: é um patriotismo de não aceitar corrupção, de brigar para melhorar seu bairro, de estar em eterna vigília."

  • Uma atleta baleada na cabeça e outras histórias do 'inferno' da insegurança no Rio às vésperas dos Jogos

Outra grande influência foram as aulas e palestras sobre política a que assistiu na universidade, experiência que lhe fez perceber entre os americanos um desejo de acessar "camadas mais profundas da política do que simplesmente reclamar da corrupção".

Casada com um americano eleitor do Partido Republicano, ela hoje se define como "conservadora". "Sou republicana, mas não aquela completamente do lado direito-direito. Sou uma repúblicana moderada."

Segundo ela, é principalmente a economia que lhe faz pender para a direita - no Twitter, já defendeu "privatizar tudo" no Brasil.

"O que me incomoda muito nos democratas (partido do presidente Barack Obama) e no Brasil é a falta de orçamentos equilibrados."

  • Um smartphone por R$ 12? Testamos o celular inteligente 'mais barato do mundo'

Voto em Trump

Ana Paula diz que seu candidato preferido para a eleição presidencial americana era o governador de Ohio, John Kasich, que terminou em quarto nas prévias vencidas pelo empresário Donald Trump.

Ela afirmou no Twitter que seria "obrigada a votar em Trump" para evitar uma vitória da democrata Hillary Clinton. Um seguidor então a aconselhou a "preparar as malas de volta para o Brasil" porque seria "encaixotada por Trump junto com todos os latinos", ao que Ana Paula retrucou: "Tenho cidadania americana ;)."

A ex-jogadora diz considerar Trump um "grande ponto de interrogação". "Não sei se ele é um 'true conservative' (conservador verdadeiro)."

Mas afirma que Hillary "adora gastar" e "representa toda a hipocrisia numa pessoa". "É uma mulher que defende os direitos das mulheres e recebe milhões de dólares de países que não têm respeito pelas mulheres", ela diz, citando doações recebidas pelo instituto que Hillary mantém com o marido, Bill Clinton.

Para Ana Paula, o principal motivo para votar em Trump é evitar que a Suprema Corte tenha uma maioria de juízes progressistas. Desde fevereiro, quando o juiz conservador Antonin Scalia morreu, a corte passou a ter quatro juízes identificados com a esquerda e outros quatro, com a direita.

Obama indicou um substituto para Scalia, mas congressistas republicanos se recusam a analisar o nome, argumentando que a indicação deve ficar a cargo do próximo presidente. O tema é crucial, já que a Suprema Corte costuma dar a palavra final em várias disputas políticas sobre temas como imigração, aborto e pena de morte.

No Brasil, Ana Paula se diz de "centro-direita" e cita, entre os políticos que admira, o senador ruralista Ronaldo Caiado (DEM-GO) e o senador Antonio Anastasia (PSDB-MG).

Penso do Bolsonaro o que penso do Obama: discordo de 90% do que ele fala, mas sei que é um cara do bem, que tem coração bom, uma índole boa

Segundo ela, Anastasia - afilhado político de Aécio Neves, para quem Ana Paula pediu votos em 2014 - "trouxe uma serenidade que falta à nossa política no processo do impeachment" e deveria ser o candidato tucano à presidência em 2018.

Sobre o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), diz gostar dele como pessoa, mas acha sua retórica muito inflamada. "Penso do Bolsonaro o que penso do Obama: discordo de 90% do que ele fala, mas sei que é um cara do bem, que tem coração bom, uma índole boa."

Críticas ao feminismo

Embora avalie ser relativamente liberal em temas morais, Ana Paula foi acusada de transfobia ao comentar a reação ao estupro coletivo de uma jovem no Rio, em maio.

"Se todo homem tem um estuprador dentro de si", ela disse ao citar um argumento difundido por algumas mulheres, "o que a gente faz com os trans que querem usar o banheiro que a sua filha usa?"

Ana Paula diz à BBC Brasil não ter "absolutamente nenhum preconceito contra gays e pessoas que mudam de sexo", mas que quis chamar a atenção "para a generalização que o feminismo faz hoje em dia".

"Essa guerra me incomoda muito, elas chamando homens de a, b ou c, sendo que na minha visão os homens são parte do nosso time, eles podem nos ajudar a que nosso mundo feminino seja melhor."

Questionada pela BBC Brasil se não considerava o esporte um meio machista por, entre outros motivos, pagar salários mais altos a atletas homens, ela admitiu haver desequilíbrios, mas criticou a forma com que essas bandeiras são tratadas, com "muita gritaria".

Outro tema que incomoda Ana Paula são as críticas a que atletas tenham sua beleza destacada em vez de seu talento (ela própria era tratada pela imprensa como "musa").

"O que é bonito é para ser olhado, homem ou mulher. O esporte tem uma beleza plástica e física que é inevitável, não tem como as pessoas não acharem musos e musas ". No Twitter, ela costuma exaltar a beleza de jogadores de futebol (o goleiro italiano Buffon é o alvo frequente de seus elogios).

Sobre outro tema polêmico, o aborto, diz aceitá-lo em caso de estupro ou quando há risco à vida da mãe (nos EUA, as mulheres têm o direito de abortar em qualquer circunstância).

Ana Paula é voluntária de uma organização na Califórnia que tenta convencer mulheres a não interromper a gravidez. "Não estamos lá para dizer 'isso é um assassinato', mas para dar alternativas às que só querem fazer aborto por não ter condição financeira".

"Já me deparei com meninas de 21 anos falando que estavam grávidas pela sétima vez, que já tinham feito seis abortos e agora queriam ter a criança. Esse é o lado do mercado do aborto que sou contra até o meu último fio de cabelo."

Sair de cima do muro

Ana Paula diz que pretende ficar nos Estados Unidos ao menos até o filho e a enteada completarem a universidade. Ela abriu uma empresa para atender clientes como arquiteta de interiores e planeja fazer uma pós-graduação após se formar, em janeiro.

Até lá, tudo indica que continuará polemizando no Twitter. "Meu propósito hoje é realmente sair de cima do muro e mostrar para muitas pessoas que o que me deixa triste é a omissão. Muita gente fala 'ah, o Chico Buarque isso, o Zé de Abreu e a Letícia Sabatella aquilo...' Gente, eu os respeito porque saíram do muro. O negócio é se omitir quando o país está mais precisando."

Ela diz que as críticas que passou a receber ao expor suas visões já não a abalam. "É como meu pai sempre falava: prego que não se destaca não leva martelada."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos