'Meu marido cortou minhas orelhas': um relato da violência doméstica no Afeganistão

  • BBC

    Zarina, afegã de 23 anos, é mais recente vítima de violência doméstica em seu país

    Zarina, afegã de 23 anos, é mais recente vítima de violência doméstica em seu país

Uma afegã de 23 anos é uma das recentes vítimas da violência doméstica no Afeganistão --ela contou como seu marido a amarrou e cortou suas orelhas.

O caso de violência doméstica ocorreu na província da Balkh, no norte do país. Zarina foi hospitalizada e não corre mais perigo de vida, mas obviamente ficou traumatizada.

"Não cometi nenhum pecado. Não sei porque meu marido fez isso comigo", disse ela.

O agressor, segundo a polícia, está foragido. Em entrevista à agência de notícias Pajwhok, Zarina disse que o ataque ocorreu sem motivo, pouco depois de ele despertá-la subitamente. Ela se casou aos 13 anos e disse à BBC que "as relações com o marido não eram boas".

BBC
Zarina disse que ataque aconteceu sem motivo
Em outra entrevista, Zarina contou que o marido tentou impedi-la de ver os pais, e que ela não queria mais permanecer casada. "Ele sempre foi um homem muito desconfiado e frequentemente me acusava de conversar com outros homens quando ia visitar meus pais."

Outro relato de violência

O relato de Zarina é apenas mais um caso de violência contra as mulheres no Afeganistão que vieram à tona nos últimos anos. Em janeiro de 2016, Reza Gul teve o nariz mutilado por seu marido na província de Faryab, no nordeste do país.

Outro caso famoso ocorreu em 2015, quando uma jovem, conhecida apenas como Farkhunda, foi linchada e queimada viva por uma multidão em Cabul, a capital afegã, depois de ser acusada falsamente de queimar uma cópia do Corão, o livro sagrado dos muçulmanos.

BBC
Reza Gul teve o nariz cortado e espera por um tratamento especializado na Turquia

Em mais um episódio de violência, Aisha, que tinha apenas 18 anos, teve o rosto desfigurado pelo marido após tentar fugir. Ela, que depois foi capa da revista americana Time em 2010, ficou sem o nariz e as orelhas.

O Afeganistão vem tentando aprovar leis para proteger mulheres da violência doméstica. Durante o governo do presidente Hamid Karzai (2004-2014), o Legislativo passou pacotes de medidas, mas elas nunca foram chanceladas pelo Executivo.

Em 2014, ele pediu mudanças na legislação que críticos disseram ser prejudiciais às vítimas. Ashraf Ghani, o sucessor de Karzai, tampouco deu sua chancela à mais nova versão da lei, aprovada pelo parlamento no final do ano passado.

O Afeganistão frequentemente figura nos primeiros lugares nas listas que reúnem países com maior incidência de violência de gênero.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos