Os tentáculos internacionais da Lava Jato, a operação que já chegou a 3 continentes

  • Ernesto Benavides/AFP Photo

    13.jul.2017 - Ex-presidente peruano Ollanta Humala, dentro de carro, a caminho a tribunal para se entregar, após ser condenado a 18 meses de prisão preventiva

    13.jul.2017 - Ex-presidente peruano Ollanta Humala, dentro de carro, a caminho a tribunal para se entregar, após ser condenado a 18 meses de prisão preventiva

O ex-presidente peruano Ollanta Humala teve a sua prisão preventiva decretada na última quinta-feira por envolvimento em um esquema ilegal com a construtora Odebrecht. Em fevereiro, outro ex-presidente do país, Alejandro Toledo, também teve a prisão determinada pela Justiça pelo mesmo motivo.

Os ex-presidentes do Peru não são os únicos alvos internacionais que surgem dos desdobramentos da Operação Lava Jato, que completou três anos em março. As investigações cruzaram as fronteiras, chegando a países da África, Europa e Américas, e estão ligadas principalmente às atividades ilegais da Odebrecht.

A América Latina é o principal alvo das ações da empresa. E, fora do Brasil, o Peru está mais avançado nas investigações. Mas há ações em outros países, por exemplo no Panamá, onde o governo proibiu a construtora de participar de licitações no país; e no Equador, que bloqueou R$ 40 milhões milhões em pagamentos de serviços à companhia brasileira.

A conexão brasileira que levou o ex-presidente do Peru Ollanta Humala e sua mulher à prisão

Já em El Salvador, a Odebrecht diz ter doado US$ 5,3 milhões (R$ 17 milhões) ao caixa dois da campanha à presidência de Mauricio Funes, eleito em 2009, e hoje está exilado na Nicarágua. Em Portugal, investigadores também têm cooperado com a Lava Jato desde que encontraram ligações da Odebrecht com o ex-premiê José Sócrates - preso preventivamente em 2014 por suspeita de corrupção.

Obras suspensas

Os casos de corrupção no exterior começaram a ficar mais claros no final do ano passado, quando o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) suspendeu o financiamento de US$ 3,6 bilhões para 16 obras na América Latina após a descoberta de subornos a políticos estrangeiros.

Dali, a investigação também chegou aos Estados Unidos, onde o grupo Odebrecht e a Braskem aceitaram pagar US$ 3,5 bilhões (R$ 11,2 bilhões) em multa num acordo de leniência com o Departamento de Justiça do país (DOJ, na sigla em inglês).

Segundo o DOJ, as empresas vinham usando uma unidade secreta na Odebrecht, apelidada de "departamento de propina", para pagar mais de US$ 1 bilhão (R$ 3,2 bilhões) a funcionários de governos de três continentes.

Lula vai conseguir se candidatar em 2018? Entenda os cenários possíveis

Através do "departamento da propina", a Odebrecht pagou US$ 788 milhões, e a Braskem, sua subsidiária, distribuiu US$ 250 milhões a funcionários de governos de 11 países, de acordo com o DOJ.

Suíça e Estados Unidos se envolveram nessa investigação porque, numa tentativa de esconder o suborno, as empresas usaram sistemas bancários internacionais, entre eles o americano e suíço.

Com a repercussão da operação Lava Jato e casos internacionais começando a surgir, promotores de mais de uma dezena de países pediram no início deste ano ajuda ao Ministério Público brasileiro para investigar suspeitos em seus respectivos países.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos