Governo Netanyahu fica mais conservador

Entrada do ultranacionalista Avigdor Lieberman no Ministério da Defesa deixa Israel com governo mais à direita de sua história. Ex-chanceler é contra solução de dois Estados e questiona lealdade de árabes israelenses.

O governo do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, se inclinou mais à direita nesta quarta-feira (25/05) com a confirmação do ultranacionalista Avigdor Lieberman, um nome abertamente contrário à formação de um Estado palestino, como novo ministro da Defesa.

A decisão é parte de um acordo entre o partido de Netanyahu, Likud, e o Yisrael Beiteinu, de Lieberman. Desde que o Likud venceu as eleições legislativas em março, o partido faz contatos com partidos nacionalistas e religiosos para compor o governo mais conservador da história de Israel.

O pacto firmado após dias de intensa negociação vai expandir a maioria parlamentar de Netanyahu de 61 para 67 assentos.

"Expandir o governo com a inclusão do partido Yisrael Beitenu na coalizão nacionalista é um passo importante e necessário para garantir a sua estabilidade", escreveu em comunicado o negociador do Likud Yariv Levin.

O acordo estabeleceu a nomeação de Lieberman para a Defesa, pasta encarregada dos territórios palestinos ocupados, e de outra nacionalista, Sofa Landver, para o Ministério de Absorção de Imigrantes de Israel.

O governo israelense também concordou em destinar 325 milhões de euros para pensões de idosos. Parte do dinheiro vai beneficiar imigrantes da ex-União Soviética, que compõem uma base de apoio a Lieberman. Ele nasceu na antiga República Socialista Soviética da Moldávia.

Virada conservadora

Em Israel, cresce o temor de que Lieberman, que vai assumir oficialmente como ministro na semana que vem, não só eleve o conservadorismo no país, mas também crie tensões entre o governo e o comando moderado das Forças de Defesa de Israel.

Lieberman já foi ministro das Relações Exteriores do país e é uma figura controversa. Ele tem questionado a lealdade de árabes israelenses ao Estado e tenta aprovar uma lei que obriga israelenses a assinar um juramento de lealdade sob pena de perderem a cidadania. O nacionalista também defende a pena de morte a condenados por terrorismo.

Para acalmar os ânimos, Netanyahu afirmou que vai observar todas as medidas tomadas pelo ministro da Defesa, sobretudo em relação ao território da Cisjordânia.

"Ultimamente, é o primeiro-ministro que direciona tudo junto com o ministro da Defesa, com o chefe da equipe, e aparentemente eu não fiz um mau trabalho durante meus primeiros anos como premiê. E é assim que será agora", afirmou à imprensa no domingo.

KG/afp/rtr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos