Trump elogia Saddam por matar terroristas

Magnata afirma que Iraque é hoje "Harvard para o terrorismo" e era bem melhor nos tempos do ditador. Elogios mostram quão "perigoso" o republicano seria para o cargo de presidente dos EUA, reage campanha de Hillary.

O magnata e provável candidato republicano à Casa Branca Donald Trump elogiou nesta terça-feira (05/07) Saddam Hussein por matar "terroristas", voltando a manifestar apoio a ditadores do Oriente Médio.

"Saddam Hussein foi um cara do mal, certo? Mas sabe o que ele fez bem? Ele matou terroristas. Ele fez isso muito bem", disse Trump num comício em Raleigh, na Carolina do Norte. "Eles não liam os direitos para eles, não conversavam. Eram terroristas, e ponto."

Trump disse anteriormente que o mundo seria "100% melhor" se ditadores como Saddam, do Iraque, e Muammar Kadafi, da Líbia, ainda estivessem no poder.

Antes de ser invadido pelos EUA, o Iraque havia sido listado pelo governo americano como um financiador do terrorismo. Para Trump, os EUA não deveriam, porém, ter "desestabilizado" o Iraque, que agora serve de viveiro para o grupo extremista "Estado Islâmico" (EI).

"Hoje o Iraque é Harvard para o terrorismo", afirmou, se referindo à prestigiada universidade americana. "Se você olhar para o Iraque de anos atrás, não estou dizendo que ele era um cara bonzinho, ele era um cara terrível, mas [o país] era muito melhor do que agora."

"Lições distorcidas"

Pouco depois dos comentários de Trump, a campanha da rival democrata Hillary Clinton se manifestou sobre o apoio a Saddam, que foi enforcado no Iraque em 2006 por ordenar a morte de cerca de 150 xiitas duas décadas antes. O ditador também foi acusado de cometer uma série de atrocidades e matar centenas de milhares de pessoas, usando inclusive gás venenoso contra curdos.

"Hoje Trump voltou a louvar Saddam Hussein como um grande assassino de terroristas [...] Na realidade, o regime de Saddam financiava o terrorismo", afirmou Jake Sullivan, conselheiro político de Hillary, em comunicado.

"Os elogios de Trump a ditadores brutais e as lições distorcidas que ele parece ter aprendido com a história deles voltam a demonstrar quão perigoso ele seria como líder e quão indigno ele é para o cargo que busca", disse Sullivan.

O republicano Paul Ryan, presidente da Câmara dos Representantes, não apoiou Trump quando questionado sobre os comentários do magnata. "Saddam foi uma das piores pessoas do século 20. Ele cometeu genocídio contra seu próprio povo usando armas químicas", disse Ryan à emissora Fox News.

LPF/afp/ap

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos