O que ficou do G20 para a África?

Gwendolin Hilse

Continente deveria ter sido o grande tema da cúpula em Hamburgo e terminou em segundo plano. Trump e Merkel fizeram promessas, mas quão satisfeitos estão os próprios africanos com os resultados do encontro?A África deveria ter sido o grande tema da cúpula do G20, encerrada no último sábado (08/07), em Hamburgo. Mas o comunicado final se concentrou na proteção climática e no livre-comércio. Somente pouco antes do fim do encontro de líderes das 20 maiores economias do mundo, a África entrou na agenda. O presidente americano, Donald Trump, prometeu 639 milhões de dólares para a luta contra a fome em Nigéria, Somália, Iêmen e Sudão do Sul. E a chanceler federal alemã, Angela Merkel, encerrou a reunião do G20 com uma rejeição "à clássica ajuda ao desenvolvimento". O Compact with Africa – iniciativa proposta pela presidência alemã do G20 – prevê que economias africanas sejam fortalecidas por meio de mais investimentos privados. O foco deve ser educação, pesquisa, saúde, projetos de infraestrutura e, principalmente, a independência econômica de mulheres jovens. No entanto, de início não estão previstas parcerias com todos os países, mas somente com Etiópia, Costa do Marfim, Gana, Marrocos, Ruanda, Senegal e Tunísia. "Em princípio, a ideia de parcerias com a África é boa", diz a política de origem senegalesa Pierrette Herzberger-Fofana, do Partido Verde alemão. "Mas usando que critérios eles pretendem escolher os países?" A África do Sul é o único Estado africano representado no grupo dos 20 principais países industrializado e em desenvolvimento. Em Hamburgo, também esteve presente como convidado o presidente do Senegal, Macky Sall, como representante da Nova Parceria para o Desenvolvimento da África (Nepad), o nigeriano Akinwumi Adesina, chefe do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), e o novo diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), o etíope Tedros Adhamom. O presidente da Guiné, Alpha Condé, também participou do encontro em Hamburgo como presidente em exercício da União Africana. E ele se mostrou satisfeito com o saldo da cúpula. "Um dos resultados do G20 é o consenso de que é preciso escutar os africanos, de que não se devem tomar decisões em seu lugar, mas sim discutir juntos suas necessidades reais", disse Condé, destacando que a África precisa urgentemente de investimentos no setor energético e em infraestrutura. "Precisamos financiar o crescimento, e se a economia privada puder nos ajudar, por que não? Agora cabe a nós insistir que essas promessas sejam cumpridas. Mas quando escuto o presidente francês ou a chanceler federal alemã, fico muito otimista", afirmou. Falta de real interesse O vice-ministro do Exterior de Uganda, Henry Okello Oryem, se mostrou menos confiante. "A cúpula do G20 em Hamburgo não despertou nos participantes muito interesse pela África", disse. Para Oryem, os países estavam muito mais interessados em seus próprios problemas e em conflitos como o da Síria do que nas necessidades do continente africano. O desenvolvimento da África não depende apenas de investimentos, mas também do combate conjunto a obstáculos ao desenvolvimento, escreveu o vice-presidente da Nigéria, Yemi Osinbajo, em artigo publicado pelo jornal francês Le Monde. "Se os países europeus estiverem realmente interessados em ajudar a África a se desenvolver, então eles precisam apoiar governos africanos no combate à corrupção", afirmou. Para o político nigeriano, no momento, todos os esforços do lado africano para alcançar o desenvolvimento econômico sustentável são sufocados por fluxos ilegais de fundos, sobretudo nos próprios países do G20. "Os problemas da África não podem ser solucionados em Hamburgo, Washington ou Xangai, mas somente pelos próprios líderes africanos", afirma a jornalista política Jenerali Ulimwengu, da Tanzânia. Na página da redação suaíli da Deutsche Welle no Facebook, as opiniões se dividem. "Para Estados africanos, o fato de países europeus quererem investir na África é uma grande chance de incentivar a economia. Mas esses investimentos deveriam ser adaptados a nossas necessidades e não nos deixar mais pobres do que já somos", comentou o leitor Padri Moshi. "Parabéns e muito obrigado a Angela Merkel pelo interesse na África e sua luta contra os problemas do continente. Eu realmente espero que os investimentos prometidos aumentem a produção e a renda nos países africanos", escreveu, por sua vez, Pius Dankala. Já o leitor Luca Mnubi acredita que tudo não passe de "uma plataforma para os países ricos fofocarem e tirar sarro dos pobres que vêm pedir ajuda com seus pratos de arroz vazios".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos