Mais informação com menos tempo de leitura
Topo

Brasileiros em Portugal chegam a 85 mil e são maior comunidade imigrante no país

28.mar.2017 -  Vista da cidade de Lisboa, do miradouro da Senhora do Monte - Fernando Donasci/Folhapress
28.mar.2017 - Vista da cidade de Lisboa, do miradouro da Senhora do Monte Imagem: Fernando Donasci/Folhapress

28/06/2018 10h46

Os brasileiros formam atualmente a maior comunidade estrangeira em Portugal. São 85 mil pessoas – o que equivale a 20,3% dos 421.711 imigrantes que vivem no país.

Os números, correspondentes ao ano de 2017, foram apresentados nesta quarta-feira (27) no Relatório de Imigração, Fronteiras e Asilo, elaborado pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras de Portugal.

Os dados sobre a imigração brasileira apontam um crescimento de 5,1% em 2017, revertendo as quedas sucessivas registradas desde 2011. O total dos brasileiros que vivem no país aumentou de 81.251 para 85.426.

Leia mais:

Os brasileiros também são o maior número entre os que pediram a cidadania portuguesa, com 10.805 pedidos em meio a um total de mais de 37 mil.

O relatório revela que 63% das recusas de entrada no país pelas autoridades portuguesas nos aeroportos em 2017 foram de cidadãos brasileiros: 1.336 de um total de 2.142 rejeições, ou seja, 368 a mais do que no ano anterior. Este é o maior número de pessoas barradas desde 2011.

Os motivos para a recusa são a ausência de justificativas para entrar no país, vistos inadequados ou a falta de condições para a entrada no espaço Schengen, a zona de livre circulação da União Europeia (UE).

Segundo o estudo, 17% dos cidadãos de nacionalidade italiana registrados pelo levantamento são de origem brasileira, ou seja, pessoas que nasceram no Brasil, mas que obtiveram a cidadania italiana em razão da ascendência familiar. A comunidade italiana em Portugal aumentou mais que 50% em relação a 2016

Os dez países com o maior número de residentes em Portugal são Brasil (85.426), Cabo Verde (34.986), Ucrânia (32.453), Romênia (30.750), China (23.197), Reino Unido (22.431), Angola (16.854), França (15.319), Guiné-Bissau (15.198) e Itália (12.925).

O número de imigrantes vindos do continente africano diminuiu 2,8%, especialmente nos países lusófonos. Segundo o relatório, isso se deve à aquisição da nacionalidade portuguesa por um grande número de pessoas da região.

O relatório chama a atenção para o aumento significativo de franceses (35,7%) que optaram por morar em Portugal. Juntamente com o maior número de italianos, isso pode significar que o país se tornou mais atraente para os europeus, com as vantagens fiscais concedidas pelo governo para atrair estrangeiros.

Segundo o levantamento, 81% dos estrangeiros em Portugal fazem parte da população ativa – os que fazem ou estão aptos a fazer parte da força de trabalho. Mais de dois terços (68,6%) dos imigrantes se concentram apenas em três cidades: Lisboa, Faro e Setúbal.

Mais Notícias