PUBLICIDADE
Topo

Trump ataca China e Irã no Conselho de Segurança da ONU

26/09/2018 16h05

Presidente exige frente unida contra "atividades malignas" de Teerã. Fora do tema da sessão, acusa Pequim de interferir nas eleições de meio de mandato nos EUA, em retaliação à guerra comercial entre os dois países.O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, abriu a reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas desta quarta-feira (26/09) com acusações ao Irã de financiar terrorismo e um apelo para que o país jamais tenha uma bomba nuclear.

Além disso, ameaçou Teerã com a imposição de novas medidas punitivas, além das relacionadas à retirada dos EUA do acordo nuclear, que afetam o petróleo e entrarão em vigor em novembro.

"Em novembro, nossa reimposição de sanções estará totalmente aplicada. Depois, vamos impor mais sanções, que serão mais fortes do que nunca, para enfrentar toda a gama de atividades malignas do Irã no Oriente Médio e além."

Foi a primeira vez que o líder americano presidiu uma sessão do Conselho da ONU, que foi dedicada à não proliferação de armas nucleares, químicas e biológicas.

Sem qualquer relação com a temática do encontro, Trump aproveitou a ocasião para acusar a China de se imiscuir nas eleições americanas de meio de mandato, alegando que o país queira impedir a vitória de seu Partido Republicano, em represália ao posicionamento deste no comércio externo. A imposição de pesadas tarifas a produtos chineses vem desencadeando uma verdadeira guerra comercial.

"A China tem tentado interferir na eleição de 2018, em novembro próximo. Contra a minha administração", alegou o bilionário e ex-astro de reality TV. "Eles não querem que a gente ganhe porque eu sou o primeiro presidente a enfrentar a China no comércio, e nós estamos ganhando no comércio, estamos ganhando em todos os níveis. A gente não quer que eles se metam nem interfiram na nossa próxima eleição."

A votação de 6 de novembro decidirá se os republicanos manterão o controle sobre a Câmara dos Representantes e o Senado dos EUA. Algumas pesquisas de intenção de voto conferem boas perspectivas ao Partido Democrata.

Pequim rebateu as acusações através de seu chefe de diplomacia. "Nós não interferimos e não vamos interferir nos assuntos internos de nenhum país. Nós nos recusamos a aceitar quaisquer acusações injustificadas contra a China", declarou Wang Yi ao Conselho de Segurança.

Durante seu discurso de cerca de dez minutos, Trump deixou de fora qualquer referência às alegações de que a Rússia teria interferido no pleito presidencial de 2016, ao qual ele deve o cargo, e cujo inquérito a respeito ele classifica de "caça às bruxas". Porém, criticou na ONU a Rússia e Teerã por seu envolvimento na guerra da Síria, em apoio ao presidente Bashar al-Assad: "A carnificina do regime sírio é possibilitada pela Rússia e por Teerã", afirmou.

Na terça-feira, o presidente dos EUA fora alvo de risos dos delegados das Nações Unidas ao enumerar as supostas conquistas de seus dois anos de governo e declarar que já teria alcançado "mais do que quase qualquer outra administração na história de nosso país".

AV/rtr/ap/efe

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp |
App | Instagram | Newsletter