PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
2 meses

Elvira Nabiullina, a mulher forte de Putin no Banco Central

29/04/2022 15h35

Elvira Nabiullina, a mulher forte de Putin no Banco Central - Com experiência em crises, Nabiullina é considerada uma tecnocrata eficaz. Mas para analistas ela manchou sua reputação ao permanecer na direção do BC russo e sustentar a máquina de guerra de Putin.Quando escolheu se vestir toda de preto para sua primeira aparição pública, poucos dias após a invasão da Ucrânia pela Rússia, Elvira Nabiullina provocou uma onda de especulações. A cor da roupa da presidente do Banco Central russo normalmente não teria sido motivo de discussão se não fosse a mulher que a vestia.

Nabiullina, uma aliada próxima do presidente russo, Vladimir Putin, é conhecida por exemplificar suas opiniões sobre a economia e a política do Banco Central por meio de roupas e broches, assim como fazia a ex-secretária de Estado dos EUA, Madeleine Albright. Um broche no formato de ave simbolizava a chegada do inverno e o congelamento das taxas de juros, um em forma de "V" significava que uma recuperação econômica estava em curso.

O traje da economista de 58 anos, foi amplamente interpretado como um gesto de luto. No entanto as opiniões estavam divididas sobre o motivo exato do luto: por causa da morte da economia russa devido a algumas das mais duras sanções ocidentais, da população da Ucrânia ou do fim da política monetária convencional que lhe trouxe aclamação global? Alguns viram a cor da vestimenta como uma maneira de expressar sua desaprovação à guerra de Putin, que desalojou milhões de habitantes e destruiu várias cidades ucranianas.

"Eu não vi nenhum broche. Então, não era hora para qualquer tipo de gestos lúdicos ou dicas para o mercado. Foi apenas muito sóbrio, um reflexo dos tempos trágicos", disse Tatiana Orlova, economista especializada em mercados emergentes na consultoria Oxford Economics.

Semanas depois, a respeitada presidente do Banco Central teria oferecido sua renúncia enquanto a guerra na Ucrânia se arrastava. Putin disse para ela continuar e a nomeou para um novo mandato de cinco anos. Ele precisava mais do que nunca das habilidades de "apagar incêndios" de sua assessora, para lidar com as consequências econômicas da guerra.

"Eu não gostaria de estar no lugar dela neste momento. Ela vai ter que limpar a bagunça", comentou Orlova em entrevista à DW. "A economia russa mergulhou numa recessão que provavelmente vai ser muito profunda. Ela será uma das principais responsáveis ??pelas decisões políticas dos próximos anos."



"Tecnocrata eficaz"

Nabiullina tem ampla experiência com crises. Ela é creditada por conduzir a economia russa através de uma série de choques, desde que assumiu a chefia do Banco Central da Rússia, em 2013. Entre os vários desafios estavam as sanções ocidentais contra Moscou após a anexação da Crimeia.

Ela foi elogiada por sua determinação firme em reprimir a corrupção no setor bancário russo: centenas de licenças foram retiradas, inclusive de instituições consideradas intocáveis ??até então, cortando quase pela metade o número de bancos russos, para cerca de 500.

Como o rublo despencou em relação ao dólar em 2014, em meio à queda dos preços do petróleo e às sanções ocidentais, Nabiullina elevou as taxas de juros para 17,5% e adotou o regime de câmbio flutuante para a moeda russa.

Sua política monetária conservadora, que ajudou o país a retomar o crescimento e reduzir a inflação, lhe rendeu elogios em todo o mundo. Periódicos ocidentais como Euromoney e The Banker a elogiaram como uma das melhores formuladoras de políticas monetárias do mundo.

"Acho que Elvira Nabiullina é uma tecnocrata eficaz, mas ainda faz parte do sistema de Putin", disse Maximilian Hess, um especialista em Rússia do Instituto de Pesquisa em Política Externa, de Londres. "E no sistema de Putin, o trabalho de um tecnocrata não é fazer o que é melhor para a população russa, mas fazer o que é melhor para o sistema do presidente russo."

O sistema bancário russo continua atormentado pela corrupção e empréstimos ruins. Várias instituições com baixo desempenho seguem bancadas pelo de financiamento estatal, que muitas vezes ainda é canalizado para outros lugares.

"Ela fez o que era fácil e nunca assumiu realmente interesses pessoais ou abordou os problemas da cleptocracia e dinheiro sujo, porque não podia e, obviamente, isso poderia ofender Putin", comentou Timothy Ash, estrategista de mercados emergentes da consultoria BlueBay Asset Management. "Portanto, de certa forma, era também apenas uma fachada para o regime."

Uma liberal no círculo íntimo de Putin

Nabiullina é uma rara autoridade em Moscou. O pai era motorista, e a mãe trabalhava como gerente numa fábrica. Amante da poesia e da ópera francesas, ela se formou em economia pela Universidade Estatal de Moscou.

Ela se tornou a primeira mulher a chefiar o Banco Central de um país do G8 em 2013, antes da suspensão da Rússia do grupo de países ricos, devido à anexação da Crimeia. Antes, atuou como conselheira econômica de Putin, cargo que assumiu após um período como ministra da Economia e do Comércio.

"Até agora, acho que Putin se importava que ela fosse respeitada no Ocidente. Ele a via como não motivada pelo mesmo tipo de corrupção voraz e interesses partidários que existiam em grande parte dos círculos da elite russa", disse Hess. "Ele a via como alguém competente e que poderia nomear para fazer o melhor trabalho em prol de seu interesse."

Nabiullina é frequentemente elogiada como comunicadora eficaz, por sua capacidade de explicar conceitos macroeconômicos complexos com uma linguagem relativamente simples e compreensível até mesmo para os russos comuns.

"Os pequenos truques de guarda-roupa fazem parte do seu estilo de comunicação, apenas para tornar a mensagem mais compreensível não apenas para os analistas, mas também para o público em geral", contou Orlova.

No auge da pandemia, em 2020, quando o governo pediu que a população se autoisolasse, Nabiullina usou um broche em forma de casa. Ele foi seguido por um broche de pombo quando anunciou um corte na taxa de juros, para enfatizar sua postura conciliadora. Um broche no formato de um botão de pausa significou um congelamento dos cortes das taxas de juros, e um de falcão simbolizou taxas mais altas.

Com sua fala tranquila, Nabiullina tem sido vista como uma liberal no funcionalismo de Moscou e é frequentemente criticada por conselheiros e legisladores linha-dura por suas políticas. Mas, com a decisão de permanecer no cargo, as percepções estão mudando: ela foi alvo de sanções de Canadá e Austrália por suas ligações estreitas com o regime russo.

"A decisão de não desistir do cargo sugere que ela não é tão liberal quanto se pensava", disse Ash. "No fim das contas, ao permanecer, ela está ajudando Putin a sustentar a guerra na Ucrânia, e seu legado será prejudicado."



Tarefa desafiadora para Nabiullina

Nabiullina inicia em junho seu terceiro mandato de cinco anos, que promete ser o período mais desafiador de sua carreira no Banco Central. Atingida por várias rodadas de sanções, a economia russa deve encolher 8,5% em 2022, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI) – a contração mais acentuada em décadas. A inflação acelerou para o nível mais alto em quase 20 anos.

O Banco Central russo respondeu aumentando as taxas de juros e introduzindo controles de capital para sustentar artificialmente o rublo, que atingiu recordes negativos em relação ao dólar após o início da invasão da Ucrânia.

Nabiullina, que nos últimos anos ajudou a construir a estratégia apelidada de "Fortaleza Rússia", para atenuar o impacto das sanções ocidentais, tem que lidar agora com sanções que congelaram grande parte das reservas estrangeiras de 630 bilhões de dólares do Banco Central, o que limita severamente sua capacidade de lidar com a crise econômica.

Os problemas de Nabiullina poderão ser agravados ainda por novas restrições à energia russa, a maior fonte de receita do país – algo que está sendo debatido na União Europeia, de longe a maior compradora de energia russa.

"Ela é a melhor pessoa para lidar com a crise atual. Eu gostaria que a Rússia tivesse alguém tão competente quanto ela como presidente", frisou Orlova. "Ela terá muito trabalho pela frente. Será um período extremamente desafiador em sua carreira."


Autor: Ashutosh Pandey