Topo

Estado Islâmico destrói histórica Dur Sharrukin, antiga capital da Assíria

Antonio Castaneda/AP
Nesta foto de 2005, detalhe das ruínas de Hatra, 320 km ao norte de Bagdá. Declarada patrimônio da humanidade pela Unesco, a cidade também foi atacada pelos radicais Imagem: Antonio Castaneda/AP

Em Bagdá (Iraque)

08/03/2015 14h39

O grupo jihadista Estado Islâmico (EI) saqueou e destruiu neste domingo o sítio arqueológico de Dur Sharrukin, atual cidade de Jorsabad, capital da Assíria durante parte do reinado de Sargon II (722 - 705 a.C.), informaram à Agência Efe fontes do governo e das forças de segurança do Iraque.

Uma fonte responsável pela segurança da província de Ninawa, onde fica esta cidade, acrescentou que os jihadistas utilizaram várias escavadeiras para destruir o sítio arqueológico, antes de roubar as antiguidades que nele estavam.

Entre os vestígios destruídos mais importantes, destaca-se o palácio do rei assírio Senaquerib, filho de Sargon II, disse à Agência Efe a presidente da Comissão de Turismo e Antiguidades do governo de Ninawa, Balqis Taha.

A fonte das forças de segurança afirmou que o EI destruiu o palácio do rei Sargon II, além de outros edifícios próximos e vários templos.

Jorsabad fica a 15 quilômetros a nordeste da cidade de Mossul, capital de Ninawa, controlada pelos jihadistas desde junho de 2014. Esta cidade, sob o nome de Dur Sharrukin, foi capital de Assíria no reinado de Sargon II, mas anos depois o império persa de Sasanida mudou seu nome pelo atual.

O ministro de Turismo e Antiguidades do Iraque, Adil Shashab, disse hoje em entrevista que "o relaxamento da resposta internacional aos grupos terroristas causou a destruição das antiguidades iraquianas".

Além disso, ele reforçou o apelo para que o Conselho de Segurança da ONU organize uma reunião extraordinária sobre a destruição do patrimônio iraquiano.

Dur Sharrukin é o quarto sítio arqueológico atacado pelos radicais no norte do Iraque desde o final de fevereiro.

O EI destruiu ontem a milenar cidade de Hatra, declarada patrimônio da humanidade pela Unesco. Na quinta-feira, os jihadistas arrasaram a cidade assíria de Nimrud, e uma semana antes destruíram o Museu da Civilização de Mossul, todos eles em Ninawa.