Irlanda busca nas urnas um alívio para as políticas de austeridade

Javier Aja.

Dublin, 25 fev (EFE).- Os eleitores da República da Irlanda votarão nesta sexta-feira para escolher um governo que garanta a recuperação econômica e alivie a austeridade, dois anos depois de o país se livrar com sucesso do resgate da União Europeia (UE) e do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Os indicadores macroeconômicos apoiam a atuação do Executivo de Dublin, de coalizão entre conservadores e trabalhistas, após aplicar o estrito programa de ajuda solicitado pelo governo anterior em dezembro de 2010, avaliado em 85 bilhões de euros.

Cinco anos depois, o primeiro-ministro irlandês, o democrata-cristão Enda Kenny, alerta que a economia nacional só continuará crescendo se o eleitorado do país, de pouco mais de três milhões de pessoas, mantiver o atual governo no poder.

No entanto, esta "mensagem de medo", segundo os críticos, não conseguiu calar boa parte dos irlandeses. Todas as pesquisas de intenção de voto indicam que o Fine Gael (FG) de Kenny e o Partido Trabalhista (Lb) da vice-primeira-ministra, Joan Burton, não chegarão à maioria absoluta e também não serão capazes de fechar acordos com os partidos minoritários e candidatos independentes.

Para um observador externo, é estranho a população dar as costas a um governo que fez com que seu Produto Interno Bruto (PIB) crescesse durante o ano passado muito acima da média da zona do euro e da maioria dos parceiros do bloco, segundo reconhece o economista David McNamara, da corretora Davy Stockbrokers.

O Banco Central Irlandês (ICB, na sigla em inglês) também confirmou que a economia atravessa um período de crescimento "excepcional" e estima que o PIB tenha subido 6,6% em 2015, enquanto para 2016 e 2017 a previsão seja de 4,8% e 4,4%, respectivamente.

Estes números contrastam por exemplo, com as modestas previsões de crescimento do PIB de 1,7% e 1,9% para a zona do euro em 2016 e 2017, respectivamente, e de 1,9% e 2% para os 28 Estados-Membros durante esse mesmo período.

"Com números como esses na mão, os candidatos adotaram durante a campanha eleitoral a 'política do Papai Noel', prometendo reduções dos impostos e um aumento do gasto público para aliviar os estragos causados pela austeridade, principalmente entre as classes baixa e média", explicou McNamara.

Kenny insistiu que um substituto no poder ou o início de um período de incerteza provocado pela impossibilidade de formar governo por causa da desagregação do voto, que pode inclusive obrigar a realizar novas eleições em seis meses, "favoreceria a fuga de capitais".

O "Taoiseach" (primeiro-ministro) também teme que nesse cenário a criação de emprego diminua, após o ICB estimar que o desemprego pode ficar por volta de 8,2% neste ano e 7,4% em 2017, longe dos 15% do início de 2012.

Além disso, o banco central prevê que os salários podem subir 2,5% tanto neste ano como no próximo, o que aumentaria a renda disponível das famílias e fortaleceria o consumo interno.

Na opinião do especialista, as promessas eleitorais não serão cumpridas se as previsões falharem e o bom estado de uma economia tão globalizada como a irlandesa depende tanto da capacidade de seus governantes como da conjuntura internacional.

As exportações irlandesas, um dos motores da economia, podem ser prejudicadas caso a UE passe por uma desaceleração em seu crescimento ou entre em recessão.

Durante os últimos anos, a balança comercial da Irlanda conseguiu aumentar significativamente seu superávit graças, entre outros fatores, à competitividade de suas exportações e à desvalorização do euro em relação à libra esterlina e ao dólar.

Os especialistas advertem que a moeda do Reino Unido pode começar a perder força em relação à europeia perante a possível saída do país da UE, o chamado "Brexit", que provocaria perdas de "bilhões" de euros a cada ano na economia irlandesa e norte-irlandesa, segundo calculou uma organização de análise estratégica de Dublin.

Existem algumas linhas vermelhas para todos os partidos políticos nacionais, como a manutenção do imposto de sociedades em 12,5%, fundamental para atrair multinacionais para a ilha, o que é visto pelos parceiros europeus como um caso de concorrência desleal.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos