EUA registram ataques a policiais em dois estados após massacre de Dallas

Washington, 9 jul (EFE).- Dois policiais foram atacados nos estados do Missouri e da Geórgia, nos Estados Unidos, depois que na quinta-feira à noite um ex-soldado americano matou cinco agentes e feriu outras nove pessoas em Dallas (Texas), informaram neste sábado veículos de comunicação locais.

Em Valdosta (Geórgia), um agente se deslocou na sexta-feira a um domicílio porque o residente tinha chamado a polícia e registrado uma queixa de roubo.

No entanto, se tratava de uma emboscada. Quando o agente chegou à casa, um jovem de 22 anos disparou contra ele várias vezes, segundo a polícia afirmou à imprensa local.

Ferido, o agente também disparou e agora está hospitalizado em situação estável, enquanto o atirador se encontra em estado grave.

O Escritório de Investigação da Geórgia assegurou que, por enquanto, não há uma conexão aparente entre este incidente e o de Dallas, embora se desconheçam os motivos do ataque.

Em Ballwin (Missouri), um policial foi ferido por um disparo durante um engarrafamento na sexta-feira e o suspeito foi detido pouco depois.

O governador do Missouri, Jay Nixon, anunciou em sua conta do Twitter que interrompeu sua viagem à Filadélfia para voltar a seu estado devido a este fato. "Esta violência tem que parar", escreveu.

A polícia disse em entrevista coletiva que o ataque se tratou de uma emboscada, mas evitou relacioná-lo com o massacre de Dallas ou com as mortes de dois homens negros em ações de policiais brancos no início da semana.

Na quinta-feira de manhã, antes do massacre de Dallas, um homem negro matou uma mulher em uma estrada e feriu outras três pessoas, todas brancas, entre elas um policial, em Bristol (Tennessee).

As autoridades locais disseram aos veículos de comunicação que este ataque poderia ter sido motivado pelas recentes mortes de afro-americanos baleados por policiais brancos, que foram registradas por duras imagens gravadas por telefones celulares que comoveram o país e deram a volta ao mundo.

O ex-soldado americano Micah Xavier Johnson, de 25 anos e afro-americano, impôs o terror em um protesto pacífico contra a violência policial no centro de Dallas na quinta-feira à noite.

O franco-atirador disparou com a intenção de matar agentes brancos, segundo disse aos negociadores da polícia.

Os agentes puseram um fim ao caos matando o atirador com a explosão de uma bomba acoplada a um robô que enviou ao estacionamento no qual Johnson estava entrincheirado, uma tecnologia que não é frequente ver fora de zonas de guerra.

Nessa mesma noite aconteciam em paralelo protestos em outras grandes cidades dos EUA como Nova York, Los Angeles e Atlanta pelos últimos incidentes de violência policial com tinturas raciais registrados no país.

As autoridades das grandes cidades do país ordenaram ontem que os agentes que patrulham as ruas o façam sempre em dupla, como medida de segurança adicional após o massacre do Texas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos