Putin diz que reaproximação com EUA não será fácil apesar de vitória de Trump

Moscou, 9 nov (EFE).- O presidente da Rússia, Vladimir Putin, admitiu nesta quarta-feira que não será fácil restabelecer as degradadas relações com os Estados Unidos apesar da vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais do país.

"Entendemos e estamos cientes de que não será um caminho fácil, dada a degradação na qual, infelizmente, se encontram as relações entre EUA e Rússia", disse Putin ao receber as credenciais de vários embaixadores no Kremlin.

Putin destacou que a Rússia conhece as declarações de Trump que sugeriam, enquanto candidato, o restabelecimento das relações entre os dois países. "Como já disse em várias ocasiões, não é nossa culpa que as relações russo-americanas se encontrem em tal estado. Mas estamos dispostos e desejamos uma restauração plena", afirmou.

Para o líder russo, uma reaproximação beneficiaria a população dos dois países e influenciaria positivamente no clima internacional, levando em conta a responsabilidade da Rússia e dos EUA em apoiar a estabilidade e a segurança globais.

"Estamos dispostos a fazer tudo o possível para devolver as relações russo-americanas a uma trajetória estável de desenvolvimento. Partimos do ponto de que não será um caminho fácil, mas estamos dispostos a fazer nossa parte", reiterou o presidente.

Anteriormente, Putin parabenizou Trump pela vitória nas eleições em uma mensagem na qual expressou confiança em "poder trabalhar conjuntamente para tirar as relações bilaterais do estado de crise".

"Putin desejou a Trump sucesso no cumprimento de suas funções à frente dos EUA", disse uma nota publicada pelo Kremlin.

O presidente russo se mostrou durante a campanha eleitoral nos EUA disposto a trabalhar com qualquer candidato que expressasse desejo de colaborar com Moscou. No entanto, não economizou afagos e não escondeu preferir uma vitória de Trump.

O republicano, por sua vez, também mostrou sua admiração ao líder russo, chegando a afirmar que ele era um melhor presidente que Barack Obama.

Contudo, Putin classificou recentemente como uma "completa bobagem" afirmar que Trump era o "candidato de Moscou". Hoje, o presidente da Rússia disse que o republicano representa os interesses dos norte-americanos que estão "fartos" das elites que mandaram em Washington nas últimas décadas.

A animosidade entre Putin e a candidata derrotada, a democrata Hillary Clinton, é conhecida e vem de longa data. Quando a ex-primeira-dama ocupava o posto de secretária de Estado, o líder russo a acusou de instigar os processos contra uma suposta fraude eleitoral no fim de 2011, os maiores protestos antigovernamentais registrados na Rússia desde a queda da União Soviética.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos