Cristina Kirchner é indiciada por irregularidade em concessão de obra pública

Em Buenos Aires

  • Marcos Brindicci/Reuters

A Justiça da Argentina determinou nesta terça-feira (27) o indiciamento da ex-presidente Cristina Kirchner, que governou de 2007 a 2015, por formação de quadrilha e administração fraudulenta por supostas irregularidades na concessão de obras públicas durante seu mandato.

O expediente, dirigido pelo juiz Julián Ercolini e que declarou Cristina como investigada em outubro, analisa um suposto esquema de "benefícios exclusivos" a favor do grupo Austral, do empresário Lázaro Báez - pessoa próxima ao falecido ex-presidente Néstor Kirchner e atualmente detido por outro caso de suspeita de lavagem de dinheiro -, em detrimento dos cofres públicos.

Ercolini ordenou, além disso, o bloqueio de 10 bilhões de pesos (R$ 209 milhões) de Cristina e o processamento, entre outros, de Báez, do ex-ministro de Planejamento Federal Julio de Vido e do ex-secretário de Obras Públicas José López.

É a primeira vez que a ex-presidente é processada por corrupção. Cristina já é investigada por supostas irregularidades na venda de dólar futuro por parte do Banco Central durante seu governo.

Os promotores tinham ligado Cristina ao crime "administração infiel" e de negociações incompatíveis com a administração pública. Além disso, havia indícios de um plano para realizar milionárias obras públicas na província de Santa Cruz, berço do kirchnerismo, e que beneficiaram Báez.

Em uma sentença de quase 800 páginas, o juiz ordenou o indiciamento de Cristina como "coautora penalmente responsável pelo crime de formação de quadrilha e de administração fraudulenta, agravada por ter sido cometida em prejuízo dos cofres públicos".

A quadrilha teria funcionado, pelo menos, entre 8 de maio de 2003 e 9 de dezembro de 2015. Cristina teria atuado "destinada a cometer crimes para se apoderar ilegitimamente e de forma deliberada dos recursos alocados às obras públicas viárias, em princípio, na província de Santa Cruz".

No caso da ex-presidente, Ercolini afirma que Cristina "teria prejudicado os interesses ao violar seu dever de administrar e cuidar fielmente os bens do Estado que estavam sob sua responsabilidade".

Ao sair do tribunal, a ex-presidente disse que é vítima de "uma manobra formidável de perseguição política e midiática" iniciada pelo atual governo, liderado por Mauricio Macri.

"Dessa forma, ele tenta esconder o desastre econômico e social vivido pela Argentina", disse Cristina.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos