Operação para libertar cidade filipina de jihadistas deixa mais de 500 mortos

Manila, 10 jul (EFE).- As autoridades das Filipinas elevaram nesta segunda-feira para 507 o número de mortos na operação militar para libertar a cidade de Marawi, no sul do arquipélago, dos jihadistas do grupo Maute, que a ocuparam parcialmente em 23 de maio.

As vítimas mortais são 379 rebeldes, 89 soldados e 39 civis, segundo os últimos dados divulgados pela porta-voz do governo, Marie Banaag, em uma entrevista coletiva na capital Manila.

As forças de segurança, por sua vez, resgataram 1.723 civis e a violência fez com que 260 mil pessoas tivessem que deixar suas casas.

O porta-voz das forças armadas filipinas, o general de brigada Restituto Padilla, indicou em outra entrevista aos meios de comunicação que só restam em Marawi entre 80 e 100 jihadistas, que utilizam reféns civis como escudos, entre eles menores de idade.

Padilla acrescentou que os soldados continuam ganhando terreno e manifestou sua esperança de que o enfrentamento seja concluído logo.

A crise de Marawi começou em 23 de maio, quando centenas de combatentes do grupo filipino Maute, vinculado ao Estado Islâmico (EI) e com apoio de jihadistas locais e estrangeiros, iniciaram um levantamento armado nessa cidade da ilha de Mindanao.

Os jihadistas incendiaram uma delegacia, uma escola, uma prisão e uma igreja e se entrincheiraram em vários bairros enquanto percorriam as ruas com as bandeiras do EI.

Nesse mesmo dia, o presidente filipino, Rodrigo Duterte, declarou a lei marcial em toda a região de Mindanao, onde vivem cerca de 20 milhões de pessoas, e ordenou a libertação de Marawi.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos