PUBLICIDADE
Topo

Passageiros de cruzeiros estão presos em alto mar por causa de furacão Harvey

26/08/2017 00h05

Austin (EUA), 25 ago (EFE).- Cerca de 20 mil passageiros a bordo de quatro navios de cruzeiro estão presos em alto mar na região do Golfo do México por causa do avanço do furacão Harvey, que ganhou força e alcançou a categoria 4 na escala Saffir-Simpson nesta sexta-feira ao atingir ventos máximos constantes de 215 km/h.

Com os portos de Houston e Galveston, nos Estados Unidos, fechados, os navios se veem obrigados a buscar outros portos ou a esperar em alto mar, possivelmente até a próxima quarta-feira, indicou hoje à imprensa americana o diretor de assuntos exteriores do porto de Galveston, Roger Quiroga.

Em sua última atualização, o Centro Nacional de Furacões (NHC, sigla em inglês) dos Estados Unidos assinalou em um boletim especial que Harvey está 70 quilômetros a leste de Corpus Christi e 85 quilômetros ao sul-sudoeste de Port O'Connor, ambas no estado do Texas.

Harvey, que poderia ser o primeiro grande furacão (categorias 3, 4 e 5) a alcançar o litoral norte-americano nos últimos 12 anos, está se deslocando rumo ao noroeste com uma velocidade de translação de 13 km/h.

Está previsto que duas das quatro embarcações desviem sua rota para fazer uma parada amanhã no porto de Nova Orleans, no estado americano da Luisiana, uma região que também está em alerta pelo ciclone.

Outro navio deve passar esta noite atracado no porto da ilha de Cozumel, no México, e tentará chegar a Galveston amanhã.

"Estamos trabalhando com as linhas de cruzeiro, com a Guarda Costeira e os pilotos para ver o que fazer para trazer os navios da maneira mais rápida e segura possível", disse ao jornal "Houston Chronicle" o diretor interino do porto de Galveston, Peter Simons.

Galveston emitiu uma ordem de evacuação voluntária na quinta-feira para o extremo oeste da ilha devido à previsão de inundações e possíveis interrupções nos serviços públicos.

O prefeito da cidade costeira, James Sr. Yarbrough, alertou hoje os moradores para que não tentassem deixar Galveston depois das 17h30 (horário local).