PUBLICIDADE
Topo

Jornalista esfaqueada em emissora de rádio em Moscou está em coma induzido

23/10/2017 14h06

Moscou, 23 out (EFE).- A jornalista Tatiana Felgenhauer, que foi esfaqueada na manhã desta segunda-feira na redação da emissora de rádio independente "Eco de Moscou", está internada em coma induzido, informou o veículo de imprensa.

"Felgenhauer está conectada a ventilação mecânica e em coma induzido", explicou o redator-chefe da emissora, o conhecido jornalista Alexei Venediktov.

Os médicos do hospital da capital russa onde a jornalista foi internada indicaram que seu estado de saúde como "grave", antes de colocá-la em coma induzido.

Segundo a "Eco de Moscou", um homem armado invadiu a redação da rádio e atacou com uma faca Tatiana, diretora adjunta, que ficou ferida no pescoço.

O agressor foi detido por guardas de segurança e depois entregue à polícia, que apontou que o homem pode ter tido "motivos pessoais" e que a vítima talvez o conheça.

"Sabia onde ia e por que", afirmou o redator-chefe da emissora, cujos escritórios estão localizados em pleno centro de Moscou.

De acordo com vários veículos de imprensa e relatos em redes sociais, o autor do ataque foi identificado como Boris Grits, um cidadão de Israel de 49 anos.

Após sua detenção, o próprio agressor afirmou que se sentia "sexualmente acossado" pela vítima "através de um contato telepático".

"Utilizando a conexão telepática, ela (Tatiana) me mortificava sexualmente", disse Grits no primeiro interrogatório.

"Nunca a conheci na realidade, mas a vi e a senti. Não podia tirá-la da cabeça", acrescentou.

O portal de notícias "Life" apontou, por sua vez, que o agressor tinha publicado em um blog sua obsessão pela jornalista e tinha pedido ao pai dela que a "influenciasse" e para que ela deixasse de "persegui-lo".

A União de Jornalistas da Rússia qualificou a agressão contra Tatiana como "um ataque contra a liberdade de expressão".

Já o Sindicato de Jornalistas apontou em um comunicado que parte da culpa do ataque recai sobre a televisão estatal russa, por ter acusado repetidas vezes a "Eco de Moscou" e Tatiana Felgenhauer de serem "agentes do Departamento de Estado dos Estados Unidos".

"Acreditamos que este tipo de programa incita o ódio contra os nossos companheiros e provocaram o ataque contra Tatiana por parte de uma pessoa transtornada", afirma na nota o sindicato.