PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Oposição tira Antonio Ledezma da prefeitura metropolitana de Caracas

O opositor Antonio Ledezma, em foto de arquivo - Jim Watson/ AFP
O opositor Antonio Ledezma, em foto de arquivo Imagem: Jim Watson/ AFP

Em Caracas

24/11/2017 02h52

O político exilado venezuelano Antonio Ledezma deixou de ser nesta quinta-feira (23) prefeito metropolitano de Caracas. A maioria opositora da capital declarou tratar-se o caso de "falta absoluta" de Ledezma, que fugiu na semana passada do país após ficar mais de mil dias preso.

"Depois de enviar nossos argumentos legais ao prefeito responsável, aprovamos a ausência absoluta do prefeito Antonio Ledezma", confirmou na sua conta do Twitter, o vereador Edinson Ferrer, da formação opositora Primeiro Justiça (PJ), que tem maioria na câmara metropolitana.

A decisão não foi reconhecida por Ledezma, que, numa mensagem no Twitter, assegurou que continua sendo "o legítimo prefeito metropolitano de Caracas".

Numa corrente de mensagens na rede social, o vereador Ferrer explica que os opositores do seu partido tomaram a decisão após receber numerosas recomendações legais e fazer consultas sobre o caso.

O substituto temporário de Ledezma será o vereador do PJ, Ali Mansour Landaeta, que ocupará o cargo até que seja realizada nova sessão que nomeará quem vai completar o mandato.

Pelo Twitter, Ferrer lembra que todos os problemas começaram com a prisão de Ledezma - que foi escolhido prefeito como candidato único da oposição - em 2015.

Até agora, a prefeita encarregada, Helen Fernández, qualificou de "traição a Ledezma" uma decisão que considera "mais política que jurídica" e para que, a seu julgamento, "não há razão lógica".

Antonio Ledezma estava em prisão domiciliar desde fevereiro de 2015, quando foi detido acusado de crimes de conspiração, mas ainda não foi julgado.
 

Internacional