Justiça decide seguir com julgamento de ex-presidente sul-coreana

Seul, 28 nov (EFE).- O Tribunal do Distrito Central de Seul, que julga por corrupção à ex-presidente sul-coreana Park Geun-hye, anunciou nesta terça-feira que continuará com o processo, mesmo com a ex-governante se recusando a comparecer à corte desde outubro.

Em prisão preventiva desde março, ela tentou boicotar o processo desde que o tribunal decidiu, em 13 de outubro, estender a prisão preventiva por mais seis meses perante o receio de que ela destruísse algumas provas. Em protesto por esta decisão, todos os advogados decidiram abandonar o caso e ela se negou a participar do julgamento alegando sofrer fortes dores nos pés e nas costas por conta das "condições desumanas" que vive na prisão de Uiwang, no sul de Seul. A ex-presidente também se negou a se reunir com os cinco defensores públicos que foram destinados à ela.

Hoje, o tribunal determinou que as dores que a ex-governante alega não são motivo suficiente para se ausentar das vistas e informou que é necessário seguir adiante com o procedimento devido à longa lista de provas para analisar, dos testemunhos pendentes e perante o limitado período de prisão preventiva que pesa sobre ela.

Atualmente com 65 anos, Park Geun-hye foi destituída e presa provisoriamente em março pelo envolvimento na trama que protagonizou com a amiga Choi Soon-sil, no caso conhecido como "Rasputina".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos