EUA garantem que não notificaram Rússia dos ataques contra a Síria

Washington, 13 abr (EFE).- Os Estados Unidos não notificaram a Rússia dos ataques lançados neste sábado junto ao Reino Unido e França contra posições do presidente da Síria, Bashar al-Assad, ao contrário do que fez há um ano com um ataque similar, onde avisou a Moscou para que retirasse suas tropas.

"Nós não tivemos nenhuma coordenação com os russos para os ataques, nem os pré-notificamos", disse em entrevista coletiva, o chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA, general Joseph Dunford.

Esta decisão dos Estados Unidos representa uma importante mudança em relação às suas ações passadas e mostra a deterioração das relações entre Washington e Moscou.

Na verdade, o presidente americano, Donald Trump, responsabilizou, em parte, a Rússia da ofensiva aliada de hoje e pediu que ele abandonasse seu apoio a Assad.

"Em 2013, o presidente (Vladimir) Putin e o seu governo prometeram ao mundo eliminar as armas químicas da Síria. O recente ataque de Assad - e a resposta de hoje - são resultados diretos do fracasso da Rússia em manter sua promessa", disse Trump.

"A Rússia - acrescentou Trump - deve decidir se seguirá por este obscuro caminho ou vai se unir às nações civilizadas como uma força de paz e estabilidade".

Há um ano, no dia 7 de abril, os Estados Unidos lançaram um ataque contra posições de Bashar al-Assad, mas naquela ocasião notificou a Moscou para que retirasse as tropas que lutavam ao lado das forças do governo sírio.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos