PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Seul e Washington concluem suas manobras um dia antes do previsto

23/05/2018 23h34

Seul, 24 mai (EFE).- A Coreia do Sul e Estados Unidos concluem nesta quinta-feira (data local), um dia antes do previsto, as manobras aéreas que receberam críticas do regime norte-coreano nos últimos dias após meses de aproximação e levando Pyongyang a congelar o diálogo com Seul.

"O exercício Max Thunder termina amanhã como planejado, mas as manobras de voo terminam hoje e os pilotos só participarão, na sexta-feira, de uma sessão informativa", explicou à Agência Efe, um porta-voz do Ministério da Defesa sul-coreano.

Embora o porta-voz tenha se recusado a revelar o motivo pelo qual os exercícios de voos terminam um dia antes do planejado, acredita-se que a ira da Coreia do Norte poderia estar por trás desta decisão.

O próprio presidente sul-coreano, Moon Jae-in, considerou durante sua viagem a Washington nesta semana que o fim destes jogos de guerra contribuiria para o Norte retomar os contatos com o Sul.

Na semana passada, Pyongyang mudou bruscamente o tom usado nos últimos meses com Seul e Washington e, como em outras ocasiões, considerou que Max Thunder é um teste para invadir seu território apesar de que, no calor do recente degelo diplomático, o regime tinha dado sua sinal verde para a execução de manobras.

A propaganda norte-coreana insistiu em que a implantação de "ativos estratégicos americanos" para estas manobras - uma referência aos bombardeiros B-52 - era contrária ao que foi expresso na declaração conjunta assinada pelos líderes das duas Coreias, Kim Jong-un e Moon Jae-in, no final do mês passado.

Paralelamente aos protestos pelas manobras, o regime também afirmou na semana passada que a realização da cúpula prevista o dia 12 de junho, em Cingapura, entre Kim Jong-un e o presidente dos EUA, Donald Trump, estava em perigo pelas pressões da Casa Branca para impor um modelo de desnuclearização "unilateral".

Hoje mesmo, Pyongyang voltou a insistir nessa mensagem dizendo que o futuro da cúpula "depende totalmente" de Washington.

Internacional