PUBLICIDADE
Topo

Coreias negociam encontro de famílias separadas pela guerra

22/06/2018 03h58

(Atualiza com comentários da parte norte-coreana e a primeira rodada de negociação).

Seul, 22 jun (EFE).- As duas Coreias se reúnem nesta sexta-feira, no Norte, com o objetivo de concretizar para agosto um encontro de famílias separadas pela guerra e outros assuntos de cooperação humanitária, de acordo com o estipulado na recente cúpula de abril entre seus respectivos líderes.

Delegações da Cruz Vermelha dos dois países iniciaram a reunião por volta das 10h (hora local) em um hotel no famoso monte Kumgang, na costa nordeste da Coreia do Norte, confirmou uma porta-voz da Unificação.

A delegação sul-coreana está liderada pelo diretor da Cruz Vermelha, Park Kyung-seo, enquanto que o lado Norte é liderado pelo vice-presidente do comitê encarregado das relações intercoreanas no país, Pak Yong-il.

"Retornaremos depois de termos tido consultas positivas com o Norte sobre uma série de questões humanitárias, em particular, sobre como resolver a agonia de 57 mil famílias separadas", explicou Park, em entrevista à agência "Yonhap", pouco antes de atravessar a fronteira entre os dois países.

O presidente sul-coreano, Moon Jae-in, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, concordaram, durante a cúpula do dia 27 de abril, em realizar uma reunião de famílias separadas no dia 15 de agosto.

Por sua parte, o delegado norte-coreano disse ao início da reunião que graças à cúpula, as duas Coreias "retomaram um espaço valioso para curar as feridas" e "explorar formas de reconciliação e unidade".

O Ministério da Unificação sul-coreano explicou que após uma primeira rodada de negociação, as duas partes estão tentando aparar as diferenças em torno do número de pessoas que poderão participar das reuniões de famílias separadas pela Guerra da Coreia.

Se a reunião for concretizada, será a primeira deste tipo desde outubro de 2015 e mais uma mostra da atual aproximação entre Seul e Pyongyang.

O governo sul-coreano exigiu insistentemente a necessidade de retomar essas reuniões devido ao envelhecimento dos membros dessas famílias separadas há mais de 65 anos.