Conteúdo publicado há 1 mês

Após 6 desistências, deputada do PT será relatora de processo contra Brazão

O Conselho de Ética da Câmara definiu a deputada Jack Rocha (PT-ES) como relatora do processo disciplinar contra o deputado Chiquinho Brazão (sem partido-RJ), acusado de ser mandante do assassinato da vereadora Marielle Franco.

O que aconteceu

Deputada do PT foi escolhida após a desistência de outros seis parlamentares. Para definir quem vai ser o relator de um processo, o Conselho de Ética sorteia três nomes, entre os quais um deles é escolhido pelo presidente do órgão para a função.

Todos os deputados do primeiro sorteio pediram para deixar lista. Os nomes que haviam sido sorteados foram os de Bruno Ganem (Podemos-SP), Ricardo Ayres (Republicanos-TO) e Gabriel Mota (Republicanos-RR).

Na segunda rodada, houve uma desistência. Quem pediu para sair foi a deputada Rosângela Reis (PL-MG), cujo lugar foi assumido por Jorge Solla (PT-BA) em novo sorteio. Os outros dois nomes foram os de Jack e Joseildo Ramos (PT-BA).

Chiquinho Brazão diz ser inocente

Brazão participou virtualmente de sessão do Conselho de Ética da Câmara na quarta-feira (24). O parlamentar fez o pronunciamento por meio de uma videoconferência, e rebateu as acusações sobre a morte da vereadora do PSOL, além de culpar colegas e a mídia pela repercussão de sua prisão. Ele está detido há mais de um mês.

O que eu posso falar em minha defesa é que sou inocente e vou provar. Sei que não há muito o que dizer. Pela grande relevância desse crime, eu sei como a Câmara está nesse momento, mas, ao final de tudo isso, eu provarei a minha inocência e [gostaria de pedir] que pudessem, aqueles que já ouvi em outros momentos, se retratar. Trecho da fala de Chiquinho Brazão

Deixe seu comentário

Só para assinantes