PUBLICIDADE
Topo

Autor de tiroteio em sinagoga dos EUA comparecerá diante de juiz na 2ª feira

28/10/2018 12h46

Washington, 28 out (EFE).- Rob Bowers, autor do tiroteio de sábado em uma sinagoga nos Estados Unidos que terminou com 11 pessoas mortas e outras cinco feridas, comparecerá na segunda-feira diante de um juiz para responder a 29 acusações feitas pela Promotoria e que podem lhe render pena de morte.

"Bowers comparecerá diante do juiz na segunda-feira, 29 de outubro, às 13h30 local (15h30, em Brasília )", informou o promotor federal Scott Brady em entrevista coletiva que aconteceu na cidade de Pittsburgh (Pensilvânia), onde ocorreram os fatos.

Brady explicou que o autor do tiroteio responderá a 29 acusações no total.

"Onze acusações por assassinato de pessoas que estavam exercitando seu direito à liberdade de credo e 11 acusações por uso de arma de fogo para cometer assassinato. Todas estas acusações podem render pena de morte", detalhou o promotor.

Por enquanto, por não haver cúmplices e nem aparente intenção de propagar uma mensagem específica, a investigação contempla os atos de Bowers como crimes de ódio e não como um caso de terrorismo.

"Nada indica que alguém colaborou com ele, por isso que enquadramos como um crime de ódio, mas seguimos investigando", comentou Brady.

As sete acusações restantes seriam relacionados com a troca de disparos que Bowers manteve com os agentes que compareceram ao local, três dos quais, explicou Brady, foram feridos no ataque.

As autoridades informaram ontem que um quarto agente também teve que receber atendimento médico, mas não foram dados mais detalhes sobre os ferimentos.

O agente especial do FBI Bob Jones, também presente na coletiva de imprensa, sustentou que apesar de a investigação estar em andamento, devido à complexidade "da cena do crime", as autoridades estimam que demorará uma semana para fazer uma varredura total do local.

No sábado de manhã, Bowers entrou na sinagoga da Congregação da Árvore da Vida e começou a disparar de maneira indiscriminada contra os presentes ao mesmo tempo que gritava: "todos os judeus devem morrer".