Topo

Bolívia denunciará Brasil à ONU por frase de deputado do Rio sobre índios

Walterson Rosa/Framephoto/Estadão Conteúdo
O Presidente da Bolívia, Evo Morales, durante visita ao Palácio do Planalto, em Brasília Imagem: Walterson Rosa/Framephoto/Estadão Conteúdo

08/01/2019 20h39

O governo da Bolívia anunciou nesta terça-feira que denunciará o Brasil à ONU por "racismo de Estado" pelas declarações do deputado estadual Rodrigo Amorim (PSL), o mais votado do Rio de Janeiro nas eleições de outubro do ano passado.

Segundo o jornal "O Globo", Amorim, aliado do presidente Jair Bolsonaro, disse que a Aldeia Maracanã, foco dos protestos registrados no Rio em 2013, é um "lixo urbano". Na sequência, o deputado afirmou: "quem gosta de índio, que vá para a Bolívia, que, além de ser comunista, é presidida por um índio".

O vice-ministro de Descolonização da Bolívia, Félix Cárdenas, explicou à imprensa local que a denúncia será feita porque as declarações foram realizadas por uma autoridade brasileira se referindo ao presidente de um outro país.

"Nós temos que fazer o que a lei diz. Por ser um deputado e por se referir à Bolívia, ele acabou incorrendo em racismo de Estado", afirmou o ministro, que comanda o Comitê Nacional de Luta contra o Racismo.

O vice-ministro ainda disse que a denúncia será feita durante o exame anual universal que os países-membros da ONU avaliam situações de discriminação e temas relacionados com os direitos humanos.

A imprensa boliviana repercutiu as declarações de Amorim ao "O Globo" sobre a Aldeia Maracanã, onde vivem cerca de 25 comunidades indígenas. As afirmações do deputado geraram indignação e chegaram a ser respondidas pelo próprio presidente do país, Evo Morales.

"Lamentamos o ressurgimento da ideologia de supremacia racista. Perante a intolerância e a discriminação, nós povos indígenas promovemos o respeito e a integração. Temos os mesmos direitos porque somos filhos da mesma Mãe Terra", escreveu Morales no Twitter.

Segundo Cárdenas, o governo de Bolsonaro deverá explicar na ONU os motivos pelos quais há atitudes racistas contra os povos indígenas e pessoas de outras nacionalidades no país. Para o vice-ministro, o "racismo é uma política de Estado" no Brasil. EFE