PUBLICIDADE
Topo

Guaidó descarta guerra na Venezuela: "A paz deve prevalecer"

O presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, durante um protesto contra o presidente Nicolás Maduro em Caracas - CARLOS GARCIA RAWLINS/REUTERS
O presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, durante um protesto contra o presidente Nicolás Maduro em Caracas Imagem: CARLOS GARCIA RAWLINS/REUTERS

25/02/2019 14h01

O autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, afirmou nesta segunda-feira na reunião do Grupo de Lima que "não há dilema entre guerra e paz" no seu país, porque é a paz deve "prevalecer".

"Não é uma questão de democracia ou ditadura. Não há dilema entre guerra e paz, é a paz e a proteção dos cidadãos que devem prevalecer", afirmou em discurso na reunião.

O Grupo de Lima se reúne hoje em Bogotá, com a presença do vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, e de Juan Guaidó, depois que a tentativa de entrada de ajuda humanitária na Venezuela acabar em violência.

O presidente interino também afirmou que o governo de Nicolás Maduro "acredita que bloquear a ajuda humanitária foi uma conquista" e que "normalizando a crise" o regime "poderá resistir".

"É importante deixar claro que os argumentos não são só a preocupação com a democracia, porque não a há na Venezuela. É atuar claramente em torno da recuperação da democracia e do respeito aos Direitos Humanos", enfatizou. 

Perguntas e respostas para entender a crise nas fronteiras da Venezuela

UOL Notícias