PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Índia tem recorde de casos e dobra número de positivos em menos de 1 mês

Profissional médico coleta amostra com swab para exame de detecção do coronavírus em Noida, na Índia - EFE/EPA/HARISH TYAGI
Profissional médico coleta amostra com swab para exame de detecção do coronavírus em Noida, na Índia Imagem: EFE/EPA/HARISH TYAGI

07/08/2020 14h20

A Índia registrou hoje o recorde de casos de infecção pelo novo coronavírus desde o início da pandemia da covid-19, ao contabilizar 62.538 resultados positivos em testes de diagnóstico, o que faz superar a barreira de 2 milhões desde o início da pandemia.

No terceiro país mais afetado no planeta pelo patógeno, atrás apenas de Estados Unidos e Brasil, já houve 2.027.074 de casos. Além disso, foram 41.585 mortes em decorrência da doença, sendo 886 nas últimas 24 horas, segundo o Ministério da Saúde indiano.

A situação na Índia é considerada alarmante, especialmente, porque em apenas 20 dias, o número de positivos para o novo coronavírus dobrou, ou seja, foram mais de 1 milhão.

As autoridades locais apontam que seguem aumentando a capacidade de realizar testes de detecção, que nas últimas 24 horas foram cerca de 660 mil. No total, desde o início da pandemia, foram 22,7 milhões, conforme dados do Conselho de Pesquisa Médica da Índia.

Ao mesmo tempo, especialistas apontam que o número é muito baixo, na comparação com a população do país, que é de 1,35 bilhão de pessoas.

O estado de Marahastra, que tem Bombaim como capital, é a mais afetada no território pela pandemia da covid-19, com 479.779 casos. A cidade de Nova Délhi é outro foco, com 141.531 positivos confirmados.

Relaxamento segue

Apesar da explosão de casos nas últimas semanas, o governo indiano segue o plano de relaxar medidas, após impor um dos confinamentos mais rígidos do mundo, que durou cerca de três meses.

Em 1º de agosto, foi decretada a entrada na terceira fase da chamada desescalada, com a autorização de quase todas as atividades sociais e econômicas, com exceção das chamadas zonas de contenção.

Embora bares, metrô e cinemas permaneçam fechados em todo o território, nesta semana foi autorizada a abertura gradual de academias, mediante normas de distanciamento social.

Coronavírus