PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Presidente da Turquia é vacinado contra covid-19 com CoronaVac

Fotografia do presidente turco, Recep Tayyip Erdogan - Wikimedia Commons
Fotografia do presidente turco, Recep Tayyip Erdogan Imagem: Wikimedia Commons

14/01/2021 21h33

Ancara, 14 jan (EFE).- O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, foi vacinado contra a covid-19 nesta quinta-feira com a CoronaVac, produzida pela farmacêutica chinesa Sinovac e que no Brasil é desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan.

"Recebi a vacina nesta tarde", declarou Erdogan aos repórteres após deixar o Hospital Municipal de Ancara.

A Turquia começou a vacinar trabalhadores da área da saúde na manhã de hoje, um dia depois de o imunizante ter sido aprovado pelo Instituto de Medicamentos e Dispositivos Médicos (Titck) e inoculado no ministro da Saúde do país, Fahrettin Koca.

"Até agora foram vacinados 254 mil trabalhadores de saúde, eu me juntei a eles. Em 28 dias, receberei a segunda dose da vacina", declarou o presidente na entrada da clinica, diante das câmeras de televisão, que não transmitiram ao vivo o ato de vacinação do chefe de Estado.

"Tenho um pedido: todos os líderes políticos, deputados devem ser vacinados para promover a vacinação", acrescentou Erdogan, que garantiu que o objetivo é vacinar toda a população.

Com mais de 83 milhões de habitantes, a Turquia assinou um acordo com a Sinovac para obter 50 milhões de doses da CoronaVac, das quais 3 milhões chegaram recentemente. A Associação Médica da Turquia criticou o governo por não negociar suficientemente cedo a entrega de outros imunizantes e por assinar um acordo somente com a empresa chinesa.

Entretanto, o Ministro da Saúde afirmou no final de dezembro que também havia um contrato com a parceria entre BioNTech e Pfizer para obter outras 30 milhões de doses.

O imunizante teve verificada eficácia de 91% em ensaios clínicos realizados no país eurasiático, enquanto o Butantan apontou um percentual bem mais baixo, de 50,38%, com 78% de redução dos casos leves e 100% dos casos graves.

Internacional