PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

EUA homenageiam mortos por covid com 600 mil bandeiras brancas em Washington

17/09/2021 20h58

Washington, 17 set (EFE).- O National Mall, monumental esplanada no centro de Washington, se tornou um grande templo ao ar livre para homenagear os mortos por covid-19, com uma instalação artística com mais de 600 mil bandeiras brancas para cada pessoa que morreu por causa da doença nos Estados Unidos.

O silêncio foi mantido nesta sexta-feira nos arredores do monumento a George Washington, o obelisco no centro da capital dos EUA, ao lado do qual estão diversas bandeiras brancas da mostra "In America: Remember", da artista Suzanne Brennan.

Diversos turistas e espectadores passearam pela instalação, tirando fotos e ocasionalmente parando para ler as dedicatórias escritas por parentes e amigos das vítimas da covid-19.

"Larry, a sua luz ainda brilha. Você era um veterano (do Exército) na Terra e agora é o meu anjo da guarda no céu. O amor da minha vida para sempre", diz uma das mensagens escritas em uma das bandeiras.

Não longe dali, várias pessoas fizeram fila ao lado de um dos estandes criados pela organização para que qualquer pessoa pudesse escrever uma dedicatória em uma bandeira. "Vieram mais pessoas do que esperávamos", disse um dos voluntários de uma das bancadas à Agência Efe.

A chuva em Washington não impediu que Janette Zapata, funcionária do sistema escolar da Flórida, que perdeu a mãe por covid-19 no início de 2021, comparecesse ao Mall com o marido e a filha.

Zapata, de 55 anos e de origem cubana, explicou que é a primeira vez que visita a capital americana e que viajou justamente para a ver a mostra, onde escreveu uma dedicatória à mãe.

"A minha mãe contraiu covid-19 em um asilo de idosos e foi infectada quando estava prestes a receber a vacina", lamentou Zapata, que disse ter tomado conhecimento da iniciativa através de um grupo de apoio a familiares que perderam entes queridos durante a pandemia.

Para ela, a parte mais difícil foi perder a mãe sem poder estar com ela nos seus últimos momentos: "Quero que a vida da minha mãe sirva a um propósito. Não é um número, é uma vida, com os seus filhos, os seus netos. Eu queria que o seu nome estivesse aqui", comentou.

Os EUA, país mais atingido no mundo pela covid-19, já registraram mais de 670 mil mortes e 41,8 milhões de casos da doença desde o início da pandemia, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins. As bandeiras estarão expostas no Mall até 17 de outubro. EFE

ssa/vnm

(foto)(vídeo)