PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Terremoto no Afeganistão deixa aos menos 1030 mortos; número pode ser maior

Helicóptero evacua feridos após terremoto no Afeganistão - BAKHTAR NEWS AGENCY/Handout via REUTERS
Helicóptero evacua feridos após terremoto no Afeganistão Imagem: BAKHTAR NEWS AGENCY/Handout via REUTERS

Kabul, no Afeganistão

22/06/2022 16h22Atualizada em 22/06/2022 17h01

O terremoto de 5,9 graus na escala Richter ocorrido no Afeganistão já deixou, pelo menos, 1.030 mortos e mais de 1.500 feridos, segundo informou nesta quarta-feira o Departamento de Informação e Cultura da província de Paktika.

O órgão indicou à agência estatal de notícias "Bakhtar" que todas as vítimas e lesionados citados se referem apenas aos distritos de Gayan e Barmal.

Mais cedo, o Serviço Geológico dos Estados Unidos informou que o abalo sísmico teve epicentro na cidade de Khost, capital da província homônima.

A vizinha Paktika foi a mais afetada pelo terremoto, em quantidade de mortos e feridos.

Além disso, Mohammad Nasim Haqqani, porta-voz do Ministério de Gestão e Resposta de Desastres do Afeganistão, informou à Agência Efe que 25 pessoas morreram na província de Khost, e outras cinco em Nangarhar.

Diversas organizações humanitárias já trabalham sobre o terreno, em coordenação com as autoridades talibãs, no resgate, segundo informou em comunicado o Alto Comissariado da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA).

Cinco helicópteros do Ministério da Defesa afegão, mais de 50 ambulâncias e diversas equipes de profissionais de saúde foram enviadas para as províncias de Paktika e Khost.

Os trabalhos, contudo, estão sendo dificultados pelas fortes chuvas e vento intenso, que, por exemplo, impediu que diversas aeronaves chegassem à região mais afetada.

O representante da Unicef no Afeganistão, Mohamed Ayoya, fez um alerta hoje sobre a situação de vulnerabilidade que o terremoto gera para milhares de crianças.

Internacional