Brasil perde quase 40 mil empregos formais em setembro, pior que o esperado

SÃO PAULO (Reuters) - O Brasil fechou 39.282 vagas formais de emprego em setembro, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgado pelo Ministério do Trabalho nesta quarta-feira, muito pior que o esperado por analistas, afetado pelo mau desempenho nos setores de construção civil e serviços.

Em pesquisa Reuters, a expectativa era de que 16 mil empregos seriam encerrados no último mês, conforme mediana das expectativas.

No acumulado do ano até setembro, a economia brasileira já perdeu 683.597 empregos formais, acumulando em 12 meses perdas líquidas de 1.599.733 vagas, em meio ao cenário de recessão econômica do país.

Por setores, o pior resultado do emprego em setembro foi observado na construção civil (fechamento líquido de 27.591 postos). Na sequência, vieram o setor de serviços (-15.141 postos) e agricultura (-8.198).

Na contramão, a indústria de transformação e o comércio apresentaram criação líquida de vagas formais, com a abertura de 9.363 e 3.940 postos, respectivamente.

REGIÃO

Os dados regionalizados do Caged mostraram que o pior resultado em setembro foi observado no Sudeste, com a destruição de 63.521 postos formais. O Centro-Oeste registrou a perda de 5.374 vagas e o Norte de 1.042 postos.

O Nordeste (29.520) e o Sul (1.135) tiveram abertura de vagas.

Segundo o dados mais recentes divulgados pelo IBGE, a taxa de desemprego subiu para 11,8 por cento no trimestre encerrado em agosto.

(Por Luiz Guilherme Gerbelli)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos