Egito confirma prisão de produtor da Al Jazeera por "provocar a insubordinação"

CAIRO (Reuters) - O Egito confirmou neste domingo ter prendido um produtor de notícias do canal Al Jazeera, acusando-o de "provocar a insubordinação" em nome da emissora baseada no Catar, a qual considera um porta-voz da proibida Irmandade Muçulmana.

Fontes judiciais disseram que Mahmoud Hussain, que foi detido na sexta-feira, estava sendo mantido sob acusações de perturbar a segurança pública e espalhar notícias falsas.

O Ministério do Interior afirmou em comunicado que as autoridades da Al Jazeera "ordenaram a alguns dos indivíduos colaborando com o canal dentro do país para continuarem implementando seu plano de mídia de provocar a insubordinação, o incitamento contra o Estado e espalhar o caos através da transmissão de notícias falsas."

Hussain foi identificado como "a pessoa responsável por implementar este plano para o canal", o qual não tem permissão de operar dentro do Egito.

A Al Jazeera não estava imediatamente disponível para comentar.

O Egito prendeu diversos repórteres durante os últimos dois anos, aumentando as preocupações com relação à liberdade de imprensa no país. Em maio, uma corte do Cairo recomendou a pena de morte contra dois deles, acusados à revelia de colocar a segurança nacional em perigo ao vazar segredos de Estado ao Catar.

 

(Reportagem de Haitham Ahmed e Ahmed Mohammed Hassan) 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos