PUBLICIDADE
Topo

Chile oferece receber conversas entre Colômbia e rebeldes do ELN

20/04/2018 20h06

SANTIAGO (Reuters) - O Ministério das Relações Exteriores do Chile disse nesta sexta-feira que o país está disposto a receber a próxima reunião entre o governo da Colômbia e o grupo rebelde ELN, depois que o Equador retirou seu apoio às conversas no início da semana. 

As negociações de paz, por vezes enfraquecidas, entre a Colômbia e o ELN, um grupo rebelde de esquerda fundado em 1964 por padres católicos radicais, já duram cerca de 14 meses, e foram reiniciadas em Quito no mês passado. 

Mas a violência perpetrada por grupos colombianos no Equador, incluindo o recente sequestro e assassinato de dois jornalistas por ex-membros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) levaram o presidente equatoriano Lenin Moreno a suspender o papel de seu país como responsável por observar e garantir que o processo seja conduzido objetivamente. 

O Ministério das Relações Exteriores chileno disse em comunicado que o país estaria disposto a servir como o novo local para ajudar a Colômbia a atingir uma resolução para o conflito "o mais rápido possível".

O Chile, juntamente com o Brasil, Cuba, Noruega e Venezuela, são países garantes pelas negociações de paz.

(Reportagem de Dave Sherwood)