PUBLICIDADE
Topo

Inquérito de Khashoggi busca acesso a consulado saudita e ao reino

26/01/2019 15h52

Por Stephanie Nebehay

GENEBRA (Reuters) - Uma investigadora de direitos humanos da ONU que lidera o inquérito internacional sobre o assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi disse neste sábado que fez um pedido por acesso à cena do crime, no consulado da Arábia Saudita em Istambul, e para visitar o reino. 

Anges Callamard, relatora especial da ONU em execuções, que começa na segunda-feira uma missão de uma semana na Turquia, a convite do governo, disse que ela ainda não recebeu uma resposta das autoridades sauditas. 

Na quinta-feira, ela disse que o painel legal e forense com três pessoas buscaria estabelecer “responsabilidades de Estado e responsabilidades individuais” pelo assassinato. 

Khashoggi, colunista do Washington Post vivendo nos Estados Unidos, foi assassinado no consulado saudita em Istambul, em 2 de outubro, onde ele estava recolhendo documentos para seu casamento. 

Agências de inteligência norte-americanas acreditam que o príncipe Mohammed bin Salman ordenou uma operação para matar Khashoggi, que era um crítico, e dizem que o seu corpo foi esquartejado e removido para um local ainda publicamente desconhecido. 

Riad nega que o príncipe tenha qualquer envolvimento no assassinato. 

“Eu requisitei acesso ao consulado saudita em Istambul e uma reunião com o embaixador do reino da Arábia Saudita na Turquia”, disse Callamard, em um e-mail à Reuters. “Eu também busquei permissão para conduzir uma visita similar ao reino da Arábia Saudita”.

A missão saudita em Genebra e o escritório de imprensa do governo em Riad não responderam imediatamente a pedidos da Reuters por um comentário.