PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Com presença de Bolsonaro, bloco Prosul é criado para coordenar países sul-americanos

22.mar.2019 - O presidente Jair Bolsonaro e o presidente do Chile, Sebastian Pinera - Rodrigo Garrido/Reuters
22.mar.2019 - O presidente Jair Bolsonaro e o presidente do Chile, Sebastian Pinera Imagem: Rodrigo Garrido/Reuters

Marion Giraldo e Fabián Andrés Cambero

Da Reuters, em Santiago

22/03/2019 14h56

SANTIAGO (Reuters) - O presidente do Chile, Sebastián Piñera, anunciou nesta sexta-feira, ao lado de presidentes de países da região, entre eles o presidente Jair Bolsonaro, um novo bloco de nações sul-americanas denominado Prosul, para coordenar os países "sem burocracia excessiva", em reação à forte rejeição ao grupo Unasul por sua postura na crise da Venezuela.

Ao final de uma reunião de cúpula em Santiago, os presidentes de Argentina, Brasil, Colômbia, Chile, Equador, Paraguai e Peru assinaram uma declaração manifestando seu compromisso com a integração regional.

"Damos início ao processo de criação do Prosul", disse o presidente conservador. "Será um foro que terá um compromisso firme e claro com a democracia, com as liberdades e com o respeito pelos direitos humanos", acrescentou.

Piñera disse que o Chile vai liderar a iniciativa em suas primeiras etapas e, posteriormente, o Paraguai vai presidir o bloco.

A nova aliança política, forjada em um momento de predominância de governos de direita ou centro-direita na América do Sul, foi impulsionada a partir do início do ano pelo Chile em resposta aos fortes questionamentos sofridos pela debilitada Unasul.

Instigada pelo falecido presidente venezuelano Hugo Chávez para cristalizar uma integração política regional, a Unasul foi criada em 2004, quando o pêndulo ideológico se inclinava para a esquerda.

A declaração desta sexta-feira enfatizou que todos os países sul-americanos estão convidados a participar, sem considerar as diferenças ideológicas, mas a Venezuela esteve ausente da reunião, à qual só se enviou um convite ao líder opositor Juan Guaidó.

(Por Marion Giraldo e Fabián Andrés Cambero)

Internacional