PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Cronograma de entrega de vacina Oxford/AstraZeneca está atrasado, diz autoridade britânica

Cronograma de entrega de vacina Oxford/AstraZeneca está atrasado, diz autoridade britânica - Getty Images
Cronograma de entrega de vacina Oxford/AstraZeneca está atrasado, diz autoridade britânica Imagem: Getty Images

04/11/2020 16h21Atualizada em 05/11/2020 11h02

LONDRES (Reuters) - O cronograma de entrega da vacina contra covid-19 da Oxford/AstraZeneca está atrasado, e o Reino Unido só receberá quatro milhões de doses neste ano, disse hoje a chefe do programa britânico de aquisição de vacinas.

Em maio, o Reino Unido firmou um acordo de compra de 100 milhões de doses da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e licenciada para a AstraZeneca, e se estimava a entrega de 30 milhões de doses até setembro deste ano.

O chefe de testes de Oxford disse ter esperança de que os resultados do teste de eficiência de estágio avançado possam ser apresentados até o final do ano, e disse que doses da vacina já estão sendo fabricadas.

Kate Bingham, presidente da força-tarefa de vacinas do Reino Unido, disse que a meta de 30 milhões de doses até setembro não foi atingida, e estimou que o país receberá quatro milhões de doses até o final de 2020.

"As previsões que foram feitas de boa fé à época estavam supondo que absolutamente tudo funcionaria e que não haveria nenhum tropeço", explicou ela a parlamentares.

Ela ainda disse que acelerar a fabricação normalmente exige anos, mas que esta progride em velocidade inédita, acrescentando que as 100 milhões de doses da vacina serão entregues no ano que vem.

"Estamos começando com números baixos de doses —e com isso quero dizer milhões de doses, mas não dezenas de milhões de doses inicialmente - e depois isso se acelerará, de forma que acabaremos com as 100 milhões de doses... na primeira metade do ano que vem", disse.

O governo brasileiro também tem acordo para aquisição da vacina de Oxford/AstraZeneca. A expectativa é que as primeiras remessas do componente usado para fabricação do imunizante cheguem ao país ainda neste ano.

Coronavírus