PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
1 mês

Agência dos EUA autoriza uso de coquetel de anticorpos para prevenir covid-19

O coquetel de anticorpos, chamado Evusheld, é usado para prevenir a doença -
O coquetel de anticorpos, chamado Evusheld, é usado para prevenir a doença

Manas Mishra e Bhanvi Satija

08/12/2021 20h20

A Agência de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA) autorizou, nesta quarta-feira, o uso do coquetel de anticorpos da AstraZeneca para prevenir infecções por covid-19 em indivíduos com sistema imunológico fraco ou histórico de efeitos colaterais graves de vacinas contra o coronavírus.

O coquetel de anticorpos, chamado Evusheld, está autorizado apenas para adultos e adolescentes que não estão infectados com o novo coronavírus e não foram recentemente expostos a um indivíduo infectado, disse o órgão regulador.

A autorização do tratamento, composto por dois anticorpos monoclonais (tixagevimabe e cilgavimabe), marca um passo significativo para a AstraZeneca, cuja amplamente utilizada vacina contra Covid-19 ainda não foi aprovada pelas autoridades norte-americanas.

No mês passado, a AstraZeneca fechou acordo para fornecer ao governo dos EUA 700.000 doses do Evusheld, que já havia mostrado reduzir o risco de pessoas desenvolverem quaisquer sintomas de Covid-19 em 77% em um teste de estágio final.

Enquanto as vacinas dependem de um sistema imunológico intacto para desenvolver anticorpos direcionados e células que combatem a infecção, o Evusheld contém anticorpos feitos em laboratório projetados para permanecer no corpo por meses para conter o vírus em caso de infecção.

O tratamento da AstraZeneca, administrado em duas injeções sequenciais, foi projetado para durar de vários meses a um ano.

Embora as vacinas atualmente forneçam a melhor defesa contra Covid-19, certos indivíduos imunocomprometidos ou aqueles que têm um histórico de reações adversas graves a uma vacina precisam de uma opção de prevenção alternativa, disse Patrizia Cavazzoni, diretora do Centro de Avaliação e Pesquisa de Medicamentos da FDA.

Coronavírus