Comitê de ação política de Ron DeSantis registra duas perdas e disputas internas pela nomeação republicana se intensificam

Por Gram Slattery

WASHINGTON (Reuters) - Duas figuras-chave do super PAC (comitê de ação política) que apoia a candidatura presidencial de Ron DeSantis deixaram a organização, disseram à Reuters duas fontes familiarizadas com o assunto, à medida que disputas internas entre os aliados do governador da Flórida se intensificam nas últimas semanas às vésperas das primeiras disputas pela nomeação republicana.

Kristin Davison, diretora executiva do PAC Never Back Down, e Erin Perrine, diretora de comunicações, deixaram o grupo, disseram as fontes, que pediram anonimato para discutir questões pessoais.

Davison ficou no cargo por menos de duas semanas, depois de substituir o ex-presidente-executivo da Never Back Down no final de novembro.

Em um comunicado, o porta-voz da Never Back Down, Jess Szymanski, disse que Scott Wagner, aliado de longa data de DeSantis, agora assumiria o cargo de CEO.

“Scott Wagner agora atuará como presidente do conselho e CEO interino da Never Back Down”, disse ela.

A saída de Davison foi relatada pela primeira vez pelo site Politico e a saída de Perrine foi publicada pela primeira vez pela Semafor.

O drama contínuo na Never Back Down é um problema sério para DeSantis, já que o grupo tem desempenhado um papel crítico no apoio aos esforços eleitorais do governador da Flórida. Como um super PAC, o Never Back Down pode receber doações de tamanho ilimitado, mas não pode coordenar diretamente com a campanha.

Os funcionários da campanha perderam cada vez mais a confiança no Never Back Down nos últimos meses, de acordo com várias pessoas familiarizadas com a dinâmica. Aliados de DeSantis formaram recentemente um novo Super PAC, apelidado de Fight Right, que se concentra em ataques contra a ex-embaixadora dos EUA na ONU Nikki Haley, que ultrapassou DeSantis em alguns estados importantes.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes