PUBLICIDADE
Topo

Policiais antifascistas se mobilizam contra Jair Bolsonaro no Brasil

05/10/2018 17h28

A reportagem da RFI entrevistou em São Paulo um dos mil policiais integrantes da força "antifascista" da polícia brasileira, um grupo que, segundo ele, "luta contra a atual política de segurança que se concentra no extermínio dos pobres, dos negros e da marginalização da pobreza”.

Achim Lippold, correspondente da RFI em São Paulo

No Brasil, o candidato da extrema-direita à Presidência, Jair Bolsonaro (PSL), acaba de receber o apoio de parlamentares ligados à agroindústria e daqueles que representam os evangélicos. Favorito deste primeiro turno que terá lugar no domingo (7), o capitão da Reserva do Exército Brasileiro também pode contar com o apoio de grande parte dos militares e da polícia local.

Mas há uma corrente dentro da força policial, embora muito pequena, que está se mobilizando contra Jair Bolsonaro e defendendo uma política de segurança baseada sobre o respeito aos direitos humanos. A reportagem da RFI se encontrou em São Paulo com Alexandre Campos, um policial que faz parte desse movimento.

Há mais de 20 anos, Campos integra a GCM (Guarda Civil Metropolitana) de São Paulo. Uma vocação, ele diz. Hoje, aos 43 anos de idade, cada vez mais revoltado com sua profissão, decidiu se juntar ao movimento "Policiais Antifacistas":

"Somos policiais que vão contra a atual política de segurança que se concentra no extermínio dos pobres, dos negros e da marginalização da pobreza”, diz.

Retaliação dos superiores

Mais de 1.000 policiais participam desse movimento, que visa promover uma polícia cidadã respeitosa dos direitos humanos. Uma escolha que ele não esconde e que provoca a retaliação de seus superiores.

"Por causa dessa guerra contra o narcotráfico, a polícia está realizando operações completamente ineficazes. Para desmantelar o banco de usuários de crack em São Paulo, ela disparou gás lacrimogêneo e balas de borracha. Recusei-me a participar. Uma semana depois, fui transferido para outra delegacia de polícia”, conta Campos.

Como seus colegas, Alexandre Campos se diz preocupado com um discurso de segurança cada vez mais voltado para a repressão. "O candidato presidencial Jair Bolsonaro e o candidato a governador de São Paulo, João Doria, declararam publicamente que desde o primeiro dia de seu mandato a polícia atirará para matar", relata.

Alexandre Campos tem uma certeza: se Jair Bolsonaro for eleito presidente, a luta contra o narcotráfico terminará em um banho de sangue. Pai de dois filhos, o policial pensa, pela primeira vez em sua vida, na possibilidade de deixar o país.