PUBLICIDADE
Topo

Vice-premiê polonês pede que Netflix retire especial do Porta dos Fundos do ar

07/01/2020 18h03

O vice-premiê polonês, Jaroslaw Gowin, pediu que a Netflix tire de seu catálogo o Especial de Natal do Porta dos Fundos "A primeira tentação de Cristo", num apelo postado no Twitter direcionado ao fundador e CEO da empresa. "Reed Hastings: exigimos que a Netflix remova o filme blasfemo de sua plataforma", escreveu o político conservador.

O vice-premiê polonês, Jaroslaw Gowin, pediu que a Netflix tire de seu catálogo o Especial de Natal do Porta dos Fundos "A primeira tentação de Cristo", num apelo postado no Twitter direcionado ao fundador e CEO da empresa. "Reed Hastings: exigimos que a Netflix remova o filme blasfemo de sua plataforma", escreveu o político conservador.

Do correspondente da RFI em Berlim

O segundo homem do governo nacionalista de direita do premiê da Polônia, Mateusz Morawiecki, anexou à postagem um link para a petição online de um grupo no país que reivindica a remoção do filme da Netflix. O abaixo-assinado já reunia nesta terça-feira (7) mais de 1,4 milhão de assinantes.

"Todo ano, o grupo de 'comédia' brasileiro Porta dos Fundos produz um filme de Natal para atacar cristãos e o cristianismo", diz a petição. "Essas produções tem um só fim - a blasfêmia. Claro que o alvo desta blasfêmia é somente uma religião - o cristianismo", prossegue o texto.

A petição acusa os humoristas brasileiros de "atacar, humilhar e difamar os cristãos e sua religião". Segundo os peticionários, "sem dúvida, eles estão trabalhando para expandir os limites da tolerância pública à blasfêmia e à zombaria da religião".

"Perseguição aos cristãos"

Os autores do abaixo-assinado afirmam que a mensagem do filme tem como consequência o "anestesiamento das consciências e a preparação da total aceitação social para uma perseguição ainda mais sangrenta dos cristãos em todo o mundo".

O abaixo-assinado diz que a sátira do Porta dos Fundos é um "escândalo inimaginável", por "retratar Jesus Cristo como homossexual, apóstolos como alcoólatras e a Virgem Maria como uma mulher promíscua".

O Especial de Natal do Porta dos Fundos, lançado pela Netflix no dia 3 de dezembro, mostra um Jesus gay, interpretado por Gregório Duvivier, que chega em casa no dia de seu aniversário, trazendo o namorado, que conheceu quando passava 40 dias no deserto.

O comentário do vice-premiê foi destaque nos principais jornais poloneses, por conta dessa discussão sobre o atentado sofrido pelo Porta dos Fundos no Rio de Janeiro em 24 de dezembro de 2019.

Netflix irrita poloneses pela segunda vez

Esta é segunda vez em menos de dois meses que a Netflix irrita o governo ultraconservador polonês. Em novembro, o primeiro-ministro Morawiecki se queixou de um outro produto da plataforma, afirnando que uma série sobre o Holocausto tinha "imprecisões históricas" ao mostrar "campos de concentração nazistas dentro das fronteiras da Polônia moderna". Os mapas exibidos na série apresentavam fronteiras que não correspondiam às existentes na época retratada.

A reclamação tocava num tema prioritário do governo nacionalista da Polônia, que em 2018 lançou uma lei para punir quem chame de "polonês" os campos de concentração da Alemanha nazista que ficavam no atual território do país.
Dessa vez, a irritação com a sátira brasileira tange dois outros pilares do regime ultraconservador polonês: defesa ferrenha dos "valores cristãos" e combate à chamada "ideologia de gênero".

Notícias