Chuva deixa desalojados em Duque de Caxias (RJ); ao menos uma pessoa morreu

Hanrrikson Andrade
Do UOL, em Duque de Caxias (RJ)

  • Reprodução/Globo News

    Ruas do bairro de Xerém, em Duque de Caxias, ficam alagadas após forte chuva

    Ruas do bairro de Xerém, em Duque de Caxias, ficam alagadas após forte chuva

Cerca de 150 pessoas foram desalojadas pelas fortes chuvas que atingiram o bairro de Xerém, em Duque de Caxias (Baixada Fluminense), na madrugada desta quinta-feira (3), segundo informações da Defesa Civil. Um homem, encontrado na região da praça da Mantiqueira, morreu. Ele ainda não foi identificado.

Duque de Caxias fica na Baixada Fluminese do Rio de Janeiro

Os desalojados foram encaminhados para abrigos no município. Havia a informação de que uma represa na região se rompeu. "Não há indício deste fato. O rompimento da barragem não está confirmado", afirmou o secretário de Defesa Civil do município, Marcelo Silva.

"Chegamos à conclusão de que foi uma cabeça d'água, desencadeando uma enxurrada brusca que trouxe uma grande avalanche de terra, árvores e pedras até as casas que estavam no beira-rio", disse.

Nas últimas 24 horas, choveu cerca de 200 milímetros na cidade, o maior volume observado na estação meteorológica da cidade, que foi inaugurada em outubro de 2002. De acordo com a Defesa Civil, a região ainda tem vários pontos de alagamento.

Os rios Saracuruna, Inhomirim e Capivari e Iguaçu transbordaram, e duas pontes e diversas casas localizadas nas margens foram derrubadas.

A rua Alberta foi completamente tomada pelas águas, e muitas casas no entrono do rio Saracuruna foram invadidas pela lama e desabaram. 

O coronel Robson Melo, comandante do Corpo de Bombeiros de Duque de Caxias, afirmou que "pela amplitude do ocorrido, as consequências até que foram brandas. Poderíamos ter uma tragédia maior caso a chuva não ocorresse durante a madrugada".

Segundo ele os locais mais atingidos do distrito foram Café Torrado, na parte alta do bairro, e a região conhecida como 51, na parte baixa de Xerém, que está praticamente isolada, depois que a Defesa Civil interditou uma ponte danificada no local.

O sambista Zeca Pagodinho está no local para prestar auxílio às vítimas da tragédia.

A prefeitura criou um gabinete de crise para mapear os estragos. Um balanço da situação será divulgado no final da tarde. Em nota, a Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos informou que enviou três equipes para Angra dos Reis, Duque de Caxias e Nova Friburgo para reforçar a organização dos abrigos.

Parte dos desabrigados foi acolhida em igrejas da região. A pastora Esmeraldina Quaresma abriu as portas para oferecer abrigo, alimento e roupas secas aos vizinhos. "A igreja vai ficar com as portas abertas enquanto for preciso. É muito triste", lamentou ela. Entre os abrigados na igreja, estava o casal de aposentados Gilmar e Edna da Silva. Ela ficou ferida e conseguiu escapar por pouco, quando a parede de casa desabou prensando seu corpo.

A secretaria enviou ao local, que abriga aproximadamente 100 pessoas, 100 kits de higiene pessoal.

O governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), vai se reunir amanhã com o ministro Fernando Bezerra (Integração Nacional) para discutir medidas emergenciais de combate aos estragos provocados pelas chuvas na região. 

Morador relata estragos após chuvas em Duque de Caxias (RJ)

Em Teresópolis, as sirenes foram acionadas em cinco comunidades com a subida do rio Paquequer. Choveu 126,8 milímetros na região desde as 22h de ontem até às 6h de hoje, o que representa 46% de toda a chuva normal para o mês de janeiro na cidade. No total, 50 pessoas ficaram desalojadas.

Em Pico do Couto, a estação chegou a registrar 59 milímetros de chuva (18% da média). Cerca de 50 pessoas ficaram desalojadas nas localidades do Vale da Revolta, de Perpétuo, Rosário, Caxangá e Pimentel. 

Em Petrópolis, os rios Bingen e Piabanha transbordaram. Houve deslizamento de terra e pedras nos bairros Independência, Siméria e São Sebastião.

Em Angra dos Reis, no sul do Estado, oito casas desabaram e há 32 pessoas desalojadas. Choveu cerca de 100 milímetros no local nas últimas horas.

Chuvas devem continuar no Rio

Na mesma região, em Mangaratiba, houve rolamento de pedras na BR – 101 e na Estrada Junqueira. Um muro desabou no local, causando destruição em uma casa, na localidade de Conceição de Jacareí, que foi evacuada pela Defesa Civil. Em Mambucaba, há 172 desalojados, e três pessoas ficaram feridas em desabamentos.

Em Nova Friburgo também chove, mas por enquanto não há registro de alagamentos, deslizamentos ou pessoas desalojadas.

Previsão para amanhã

Segundo previsão da Somar Meteorologia, amanhã (4) continua a chover no Estado, principalmente na região serrana. A tendência é que o solo continue encharcado, o que aumenta o risco de deslizamentos.

No sábado o tempo deve melhorar, mas existe a possibilidade de que chova novamente em alguns municípios.

Chuvas de verão
Chuvas de verão

(Com Agência Brasil)

Notícias relacionadas

 

Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos