Nível do rio Madeira bate marca histórica e deixa 1.000 fora de casa em RO

Do UOL, em São Paulo

  • Divulgação/CPRM

    O nível do rio Araras, que desemboca no rio Madeira, transbordou e cobriu uma ponte em Rondônia

    O nível do rio Araras, que desemboca no rio Madeira, transbordou e cobriu uma ponte em Rondônia

O rio Madeira, que banha os Estados de Rondônia e do Amazonas, atingiu a marca histórica de 17,76 m acima do nível normal, nessa terça-feira (18). O registro é da CPRM (Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais).

Em Rondônia, pelo menos 351 pessoas estavam desabrigadas e 805 desalojadas, na tarde de ontem, segundo o Corpo de Bombeiros do Estado. Chove forte nas cabeceiras da bacia do rio Madeira, localizadas na Bolívia e no sul do Peru, desde outubro de 2013.

A cheia do rio atingiu ruas, casas e comércios em Porto Velho, e o governo de Rondônia decretou estado de emergência na capital. O decreto inclui ainda os municípios de Guajará-Mirim e Rolim de Moura e Santa Luzia, ambos pertencentes à bacia do rio Machado, que também está subindo acima do normal.

O distrito de Abunã (RO) foi tomado pelas águas da cheia do rio

Os níveis do rio Madeira passaram a atingir marcas históricas no início de janeiro deste ano. A cota máxima anterior a este período era de 17,52 m, em 1997, de acordo com o CPRM.

O ministério da Integração Nacional classificou a cheia como a maior de toda a história. "Sobe 20 centímetros por dia, em média", informou a pasta.

O pesquisador em Geociências da Unidade de Porto Velho da CPRM, Francisco de Assis dos Reis Barbosa, afirma que ressalta o fato de historicamente os níveis máximos do rio Madeira, na capital de Rondônia, ocorrerem 95% entre os meses de março e abril. Desde 1967, esse fenômeno não havia acontecido.

Parte do Acre tem risco de ficar isolada devido à cheia

Notícias relacionadas

 

Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos