Informações sobre o álbums
  • editoria:
  • galeria:
  • link: http://noticias.uol.com.br/ciencia/album/2017/01/03/veja-imagens-de-ciencia-do-mes-janeiro2017.htm
  • totalImagens: 12
  • fotoInicial: 12
  • imagePath:
  • baixaResolucao: 0
  • ordem: ASC
  • legendaPos:
  • timestamp: 20170103182043
    • Notícias [35976]; Ciência [45097]; Ciência e Saúde [76752];
Fotos

NUVENS LUNARES - Flutuando bem acima dos lagos de hidrocarbonetos, nuvens tênues aparecem nas latitudes de Titã, o maior satélite natural de Saturno. Nuvens como estas desapareceram do norte da Lua por vários anos, e agora retornaram em números menores que o esperado. Cientistas acompanham a atividade das nuvens para mapear como elas se comportam durante a mudança das estações de Saturno Nasa /JPL-Caltech /Space Science Institute Mais

FUTURAS ESTRELAS - Esta rede de poeira e gás mostra um futuro berçário de estrelas no Universo. A região fica em Polaris, cerca de 490 anos-luz de distância da Terra. Centenas de filamentos interestelares aparecem emaranhados na imagem. Esses emaranhados podem se esticar por dezenas de anos-luz pelo espaço e precedem a formação estelar ESA Mais

MOSAICO DE ÓRION - A imagem mostra parte do maior mosaico de alta resolução já feito de Órion. A imagem foi feita com o telescópio de infravermelho VISTA, no Observatório Europeu do Sul, no Chile. O mosaico conta com a nuvem molecular de Órion, a mais próxima "fábrica" de estrelas maciças conhecida, a cerca de 1.350 anos-luz da Terra, além de revelar muitas estrelas jovens e outros objetos que costumam aparecer enterrados profundamente em nuvens empoeiradas Observatório Europeu do Sul/ Antares/ AFP Mais

ACELERADOR DE PARTÍCULAS - Um buraco negro supermassivo e a colisão de galáxias gigantes se combinaram para criar um fenômeno inédito: um acelerador de partículas cósmicas natural. O registro foi realizado por meio de dados do observatório de raios-x Chandra, da Nasa (Agência Espacial Americana), e do GiantMetrewave Radio Telescope (GMRT), que fica em Pune, na Índia. Os fenômenos só apareciam em registros separadamente Nasa Mais

TERRA VISTA DE MARTE - Uma imagem de um telescópio da Nasa (Agência Espacial Norte-Americana) que está na órbita de Marte fotografou a Terra e a Lua. Na realidade, a Lua é muito mais escura que a Terra e dificilmente seria visível, então houve retoque no brilho. Mas as posições e tamanhos dos corpos não foram alterados. A distância entre a Terra e a Lua é cerca de 30 vezes o diâmetro da Terra Nasa/ JPL-Caltech / Universidade do Arizona Mais

AMEBA SENHOR DOS ANÉIS - Pesquisadores do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (IB-USP) e do Departamento de Biologia da Universidade Estadual de Maringá (UEM) identificaram uma ameba (esq.) com formato similar ao do chapéu de um mago (dir.), como o Gandalf, da série O Senhor dos Anéis. Trata-se de uma tecameba, nomeada de Arcella gandalfi em homenagem ao personagem criado pelo escritor J. R. R. Tolkien (1892 - 1973). A nova espécie de ameba foi descrita em um artigo publicado na revista "Acta Protozoologica" Jordana C. Féres e Alfredo L. Porfírio Sousa/Fapesp Mais

UNIÃO DE GALÁXIAS - Esta delicada mancha azul no espaço é muito mais turbulenta do que parece. O IRAS 14348-1447 está localizado a mais de um bilhão de ano-luz de distância da Terra. Este objeto celestial é na verdade a junção de duas galáxias espirais ricas em gás. Esta dupla se aproximou muito no ano passado, a gravidade fez com que eles se atraíssem e se fundissem em uma só. A imagem foi tirada pelo telescópio espacial Hubble ESA / Hubble/ Nasa Mais

SELFIE NO ESPAÇO - O astronauta da Agência Europeia Espacial Thomas Pesquet realiza sua primeira caminhada espacial. Ao lado do astronauta da NASA Shane Kimbrough, ele passou cinco horas e 58 minutos fora da Estação Espacial para completar uma atualização de bateria para o sistema de energia do posto avançado. "O requisito para uma 'selfie' no espaço! Belo reflexo da Terra no capacete. Sentimento inacreditável ser seu próprio veículo espacial...", comentou o astronauta na foto. ESA/NASA Mais

ARCO NO CÉU DE VÊNUS - Uma enorme estrutura foi detectada na atmosfera de Vênus pela nave espacial Akatsuki, de acordo com estudo publicado recentemente na Nature Geoscience. Os cientistas relataram a presença de uma enorme massa em forma de arco brilhante que se estende por 10.000 km através da atmosfera de Vênus, na altura das nuvens mais altas --a preestrutura pôde ser observada por vários dias e não apresentou alterações de movimento, apesar da presença dos ventos atmosféricos. Para os pesquisadores, a região brilhante, mais quente que a atmosfera que a circunda, é o resultado de uma onda de gravidade gerada na atmosfera inferior, que está sobre uma área de montanhas JAXA Mais

METEORITO DE FERRO? - O Curiosity, da Nasa (Agência Espacial Norte-Americana), pode ter encontrado seu terceiro meteorito em Marte. Ao explorar o monte Sharp, o rover encontrou o que parece ser um meteorito de ferro-níquel. A máquina está analisando os componentes da rocha, se ele for feito principalmente de ferro, confirmamos que esse é um meteorito formado a partir do núcleo de um asteroide. Estranhamente, os meteoritos encontrados em Marte são feitos de ferro, apesar do fato de que, na Terra, 95% dos meteoritos são pedregosos NASA/JPL-Caltech/MSSS Mais

AÇÃO DO HOMEM - Cangurus de 450 kg e tartarugas do tamanho de um fusca faziam parte da megafauna da Austrália, que desapareceu há 45 mil anos. Cientistas das universidades de Monash e Boulder apontam que a causa mais provável da extinção é a ação do homem e não as mudanças climáticas, como se pensava anteriormente. A descoberta, publicada na Nature Communications, foi feita a partir da análise de fezes desses animais encontradas no fundo do oceano Índico próximo à costa australiana. Peter Trusler/AFP Photo/Nature/Monash University Mais

GALÁXIA OU COMETA? A constelação de Canes Venatici ("Cães Caçadores", em tradução livre) abriga uma grande variedade de objetos de céu profundo, incluindo esta suposta galáxia conhecida como NGC 4861. Astrônomos, no entanto, ainda não sabem como classificá-la. Suas propriedades físicas --como massa, tamanho e velocidade da rotação-- indicam que seja uma galáxia espiral, mas sua aparência lembra mais um cometa com uma "cabeça" luminosa e uma "cauda" sem luz. A possibilidade de ser uma galáxia anã também não é descartada. Pequenas galáxias têm um potencial gravitacional menor, o que faz com que elas simplesmente precisem de menos energia para que objetos se movam em seu interior. Isso faz com que os ventos galáxicos possam as preencher mais facilmente. Estes ventos galáxicos podem ser alimentados pelo processo em curso de formação de estrelas, que envolve uma grande quantidade de energia. Novas estrelas estão surgindo na "cabeça" brilhante da NGC 4861, bem como fluxos de ejeção de partículas de alta velocidade, que inundam para fora para se juntar ao vento galático mais amplo. A NGC 4861 seria um candidato perfeito para estudar tais ventos, mas estudos recentes não encontraram ventos galácticos na mesma. NASA Mais

Veja imagens de ciência do mês (janeiro/2017)

ÚLTIMOS ÁLBUNS DE UOL CIÊNCIA

UOL Cursos Online

Todos os cursos