PUBLICIDADE
Topo

A Cidade é Nossa

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Por trás de um bilhete de transporte...

Raquel Rolnik

09/12/2021 17h04

cartao-top-site - Divulgação - Divulgação
Print do site do TOP, https://www.boradetop.com.br/
Imagem: Divulgação



No início de novembro, o Governo Estadual de São Paulo lançou o TOP, novo aplicativo de mobilidade para trens e ônibus intermunicipais gerenciados pela EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo) na região metropolitana de São Paulo. O novo aplicativo (que também é um cartão) vem substituir o atual BOM, que deixará de funcionar gradativamente até março de 2022. Também faz parte do pacote o fechamento gradual das bilheterias até o final de 2021.

O cartão TOP, no entanto, é também um cartão de banco. Por trás da solução "inovadora", o que estamos vendo aqui é a financeirização da cidadania, processo no qual os direitos a um serviço urbano - como é o caso do transporte - só podem ser acessados através dos circuitos do mercado financeiro. E mais: além de bancarizar a totalidade dos usuários de transportes, trazendo-os para os circuitos do endividamento, esta solução privatiza os dados dos usuários, deixando-os à disposição da empresa, sem sabermos em detalhes para quem e para quê estes dados serão passados. É sobre isso que fala o episódio 48 do "A Cidade é Nossa", produzido por Raquel Rolnik e Sebastião Moura, da equipe do LabCidade. Para ouvi-lo na sua plataforma de podcast favorita acesse: spotify, apple podcasts, google podcasts e overcast.