PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus provoca encolhimento de Rodrigo Maia

ADRIANO MACHADO
Imagem: ADRIANO MACHADO
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

13/03/2020 06h11

um novo Rodrigo Maia na praça. É muito parecido com o anterior, só que bem menor e menos estridente. Deve-se a mutação à crise do coronavírus.

É como se a biografia do presidente da Câmara tivesse sido infectada por um microorganismo que provoca o encolhimento.

Até aqui, Maia parecia presidir a Câmara com clarins implantados na traqueia. Jactava-se de ter aprovado a reforma da Previdência a despeito de Jair Bolsonaro.

Comportando-se como primeiro-ministro de um hipotético parlamentarismo branco, Maia prometeu tocar uma "agenda própria" de reformas econômicas e sociais.

De repente, Maia abdicou do protagonismo. Em entrevista à Folha, soou como se já não priorizasse as reformas liberais. Não faz mais questão de ostentar liderança.

"Hoje, o que me angustia e preocupa é, sob a liderança do Poder Executivo, mostrar à sociedade brasileira uma união para superar os próximos seis meses."

Maia já não fala em agendas próprias -nem na área econômica nem no setor social. Já não parece preocupado em alardear a independência do Legislativo.

"Queremos que o governo construa as soluções que vão minimizar os efeitos na saúde pública e na crise na vida das pessoas na área econômica e área social. O governo precisa liderar isso."

Antes, Maia ocupava espaços que a desarticulação do governo não conseguia preencher. Agora, queixa-se de Paulo Guedes por realçar o vazio legislativo.

"Não posso imaginar que, numa crise desse tamanho, o ministro tenha encaminhado uma lista de 19 projetos para transferir a responsabilidade para nós."

Até bem pouco, Maia estendia sua capacidade de articulação a todo o espectro ideológico —do petismo ao centrão. Subitamente...

Subitamente, revelou-se incapaz de evitar que os deputados se associassem aos senadores numa emboscada contra a responsabilidade fiscal.

"Geramos uma despesa de R$ 20 bilhões", disse, resignado, sobre a decisão do Congresso de ampliar o acesso de velhos miseráveis a uma pensão do Estado.

"A gente sabe que não tinha previsão Orçamentária", lamentou, antes de lavar as mãos: "Era uma votação da sessão do Congresso, que não sou eu que presido".

Mantido o diapasão da entrevista, todo o poder que Rodrigo Maia acumulou desde a gestão de Michel Temer logo caberá numa caixa de fósforos.

Josias de Souza