PUBLICIDADE
Topo

Josias de Souza

China impõe à gestão Bolsonaro tática do jacaré

Freepik
Imagem: Freepik
Josias de Souza

Josias de Souza é jornalista desde 1984. Nasceu na cidade de São Paulo, em 1961. Trabalhou por 25 anos na "Folha de S.Paulo" (repórter, diretor da Sucursal de Brasília, Secretário de Redação e articulista). É coautor do livro "A História Real" (Editora Ática, 1994), que revela bastidores da elaboração do Plano Real e da primeira eleição de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de "Os Papéis Secretos do Exército".

Colunista do UOL

21/01/2021 19h08

A China encontrou na pandemia uma oportunidade para demonstrar aos gênios do governo Bolsonaro que a diferença entre a genialidade e a estupidez é que a genialidade tem limites. Pequim submete o presidente brasileiro e seus luminares à estratégia do jacaré.

Os sábios de Brasília levaram os ataques à China até as margens da imprudência. Mal enxergaram o olho do alvo. Chegaram mais perto. De repente, o bicho abriu a boca. Deu o bote no instante em que ficou escancarada a dependência do programa de vacinação do Brasil em relação aos insumos farmacêuticos chineses.

Ernesto Araújo, suposto ministro das Relações Exteriores do Brasil, está zonzo. O hipotético chanceler declarou a deputados da Comissão de Combate à Covid o seguinte:

"Não identificamos nenhum problema de natureza política em relação ao fornecimento desses insumos provenientes da China. Nossa análise é de que realmente há uma demanda muito grande por esses insumos. Não há nenhum problema político na relação com a China. Queria reiterar: nós temos uma relação madura, construtiva, muito correta, tranquila com a China."

Porta-estandarte do pelotão anti-China do governo, Araújo ainda não notou que está na boca do jacaré. Mastigado, o gênio do Itamaraty tornou-se uma irrelevância diplomática.

No momento, a China coloca na roda o próprio Bolsonaro, que mendiga um contato telefônico com o colega Xi Jinping, e o ministro Fabio Faria (Comunicações), que se equipa para lançar o edital do bilionário negócio da tecnologia 5G.

A China não tem a intenção de romper os contratos que preveem o fornecimento de insumos para as vacinas contra a covid. Mas está entendido que a matéria-prima pode chegar mais rápido ao Butantan e à Fiocruz se os gênios de Brasília fornecerem à Huawei, gigante chinesa do ramo da tecnologia, imunizantes contra o vírus da sinofobia.

O jacaré ensina aos sábios do bolsonarismo que, na pandemia, a ideologia pode ser o caminho mais longo entre o projeto de vacinação e o braço dos brasileiros.